DÉSIGUALDADES E MUTAÇÕES, INÉGALITÉS ET MUTATIONS

Publié par

Différentes disciplines concourent et collaborent à une meilleure compréhension de la réalité sociale brésilienne : administration, architecture, démographie, économie, éducation, géographie, littérature ou sociologie, en particulier. Le thème de ce premier numéro, " Inégalités et mutations ", est symbolique car, dans un pays que l'on dit connaître des mutations incessantes, les inégalités, aussi, sont constamment à l'œuvre.
Publié le : dimanche 1 juillet 2001
Lecture(s) : 214
Tags :
EAN13 : 9782296226203
Nombre de pages : 181
Voir plus Voir moins
Cette publication est uniquement disponible à l'achat

SOCIETES BRESILIENNES
Education, travail, développement

SOCIEDADES BRASILEIRAS
Educaçao, trabalho, desenvolvimento

na 1-2 (décembre 2000-juin 2001)

Desigualdades e mutaçoes Inégalités et mutations

L'Harmattan 5-7, rue de l'École-Polytechnique 75005 Paris FRANCE

L'Harmattan Inc. 55, rue Saint-Jacques Montréal (Qc) CANADA H2Y lK9

L'Harmattan Hongrie Hargita u. 3 1026 Budapest HONGRIE

L'Harmattan Italia Via Bava, 37 10214 Torino IT ALlE

Sociétés brésiliennes - éducation, travail, développement
Sociedades Revue semestrielle bilingue brasileiras - educaçiio, trabalho, desenvolvimento

. Comité scientifique: Jacques Ardoino - Université Paris 8. André Berter - Université Catholique de Louvain. Antônia da Silva Solino - UFRN. Antonio Cabral Neto - UFRN. Bernard Emery - Université de Grenoble III. Brasilia Carlos Ferreira - UFRN. Djalma Freire Borges - UFRN. Eleonora Bezerra de Melo Tinôco Beangred - UFRN. Gaudêncio Frigotto - UFRJ. José Aldemir de Oliveira - FUA. José Willington Germano - UFRN. Luiz F. de Lacerda Nilo - UFPe. Mauricio Serva - UFRN. Maria Arisnete Camaro de Morais - UFRN. Maria Arlete Duarte de Araujo - UFRN. Maria Doninha de Almeida UFRN. Marilene Correia da Silva - FUA. Paul Clerc - Université de Caen. Regina Vinhaes Gracindo - UnB. Sônia Maria Rodrigues Calado - UFPe. . Comité de rédaction: Louis Marmoz. Jomaria Alloufa. Dinah Tinoco
. Corrections:
Marisa Trindade

. Photos: Antoine Terofal . Directeur de publication:

Louis Marmoz

(Ç) L'Harmattan, 2001 ISBN: 2-7475-0858-7

Avertissement
Voici le premier numéro de la revue "Sociedades brasileiras Educaçiio, trabalho, desenvolvimento/ Sociétés brésiliennes Education, travail, développement", revue semestrielle bilingue dont le titre indique la visée. Le principe de cette revue, précisé par Jomaria Alloufa, Dinah dos Santos Tinôco, Maria Arlete Duarte de Araujo, Djalma Freire Borges et Louis Marmoz, est né de rencontres et de travaux antérieurs. Dans son projet même, elle se veut ouverte et utile à l'ensemble des institutions et des chercheurs que son thème concerne et est résolument plurielle, à l'œuvre sur des aspects différents de la réalité brésilienne à l'étude de laquelle elle se consacre. Son sous-titre indique ses domaines privilégiés d'analyse: le travail, car cela reste pour nous la source du progrès, l'éducation, puisque cela reste un moyen d'y préparer en même temps qu'à la responsabilité sociale, le développement, puisque cela reste un but, et un problème. Sociedades brasileirasl Sociétés brésiliennes est une revue bilingue: elle publie indifféremment en portugais ou en français, normalement dans la langue de l'auteur, ce qui n'interdit pas les traductions. Ce choix, en apparence simple, peut soulever quelques difficultés ou irrégularités dans l'édition; par exemple, les règles courantes de présentation des bibliographies en France et au Brésil sont différentes, d'autres formes aussi. Nous avons respecté celles de chacun. Cette liberté nécessaire, ou ce respect des fonctionnements de chacun, n'empêche pas la présentation d'articles sélectionnés en raison de leur caractère "scientifique" attesté par une recherche de preuve et la mise au clair des démarches, et des bases, de l'auteur. Nous remercions les premiers membres du comité scientifique de la revue qui ont bien voulu déjà s'associer à ce travail. Brésiliens ou Européens, ils interviennent dans différentes disciplines, administration, architecture, démographie, économie, éducation,

géographie, littérature ou sociologie, en particulier; bien sûr, ces disciplines ne sont pas représentées là "en concurrence" mais dans la mesure où elles concourent et collaborent à une meilleure compréhension de la réalité sociale brésilienne. Symboliquement peut-être, cette première livraison est consacrée au thème "inégalités et mutations". Symboliquement car, dans un pays que l'on dit connaître des mutations incessantes, les inégalités, aussi, sont constamment à l'œuvre. Beaucoup d'articles y sont publiés en portugais, peu en français -un utilise les deux langues, uniquement des traductions. Sur ce thème d'une validité durable d'autres articles seront certainement sélectionnés et publiés, peut-être davantage en français. La prochaine livraison de Sociedades brasileirasl Sociétés brésiliennes, consacrée, éditée au début du second semestre 2001, surtout rédigée en français, sera consacrée au thème "enseignants et enseignements" .

Inégalités et mutations / Desigualdades e mutaçoes
Sommaire
e mudança social: novos contornos da desigualdade Marilene Corrêa da Silva . 0 meio rural e a educaçâo com crianças pobres : (re)conhecendo diversidades no Rio Grande do Norte
Maria Aparecida de Queiroz.

. Educaçao

5

Elenise

. Direito à vida: reafirmaçâo da exclusâo Faria Scherer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . .. 25 . Programa de Desligamento Voluntario do Banco do Brasil :
Dinah Marilene dos Santos Corrêa Tinôco. da Silva.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 15

razoes de adesao e formas de inserçao no mercado de trabalho Marcos Aurélio de Oliveira Santiago e
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 39 . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 61

. Etnicidade e globalizaçâo
.0 crescimento do turismo na Grande Natal-RN e 0 processo de diversificaçâo das atividades informais: um estudo nas praias de Ponta Negra e Genipabu
José

d'une méthodologie de référence pour l'action ergonomique: le PES - plan ergonomique situé Marcelo Rique Caricio .. .. ... .... ... ... .. .... .. .... ... 111 Mario Cesar Rodriguez Vidal . Le processus décisionnaire à l'Université Fédérale au Brésil: paradigme rationnel de décision? Maria Arlete Duarte de Araujo et
Dj alma Freire Borges. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 13 1

. La recherche

Umbelino

Gomes

Junior.

. . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 79

et incapacité institutionnelle des communes de l'agglomération de Natal- Brésil Dinah dos Santos Tinôco .... .. ... .. .. .. .. .. .. .. .... .. ..

. Décentralisation . Ouvrages

153
..175

récents

-I

Il ...
')(M~~

"'12"'11

4

Educaçao e mudança social: novos contornos da desigualdade1
Marilene Corrêa da Silva2

1- Os nexos de continuidade da desigualdade Ha regioes do planeta que se configuram, na historia das sociedades, como desafios postos aos processos sociais em curso. A Amazônia, a exemplo de outros lugares de forte feiçao fisiografica e cultural, constitui urn desses tipos de regiao, onde qualquer perspectiva de analise das relaçoes entre educaçao e mudança social remete, em grandes linhas, a distintos projetos educacionais desenvolvidos ao longo da formaçao e do desenvolvimento das sociedades regionais. A dominaçao colonial, os projetos nacionais e as conexoes mundiais atuais na Amazônia podem ser reveladores de como educaçao, mudança social e desigualdade têm se processado no pIano local. Ha alguns indicios de continuidade entre urn e outro. É possivel afirmar que a educaçao, como instrumento a serviço de urn projeto de dominaçao, e a desigualdade, sao constituintes dos processos de conquista de povos e territorios da Amazônia. Os principios justificadores das açoes educativas estao no cerne do debate da descoberta da América, da sua posse e da significaçao desse acontecimento para a afirmaçao das diferenças entre as distintas culturas que se encontravam. Nao ha como desconhecer as teses correntes acerca da inferioridade do homem americano - ou da situaçao de "natureza incompleta" dos seres vivos e da degenerescência fisica das espécies dos Tropicos, onde as populaçoes tradicionais tinham sua humanidade posta em duvida( 1) que estao no âmbito de urn debate entre natureza e sociedade, em distintas fases da autocompreensao da Europa diante do Novo Mundo e da construçao social do "estranhamento cultural" entre europeus e americanos. Os fundamentos da desigualdade eram, de inicio,
1 Co16quio Educaçào e Socializaçào, Manaus, 7-9/7/98, CAPES/COFECUB Universidades do Amazonas e da Caen. 2 Professora, Departamento de Ciências Sociais do Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade do Amazonas.

"naturalizados" em funçao do "clima quente", das "gentes frias" e de "animais frageis".
"Nesse estado de abandono, tudo se enlanguesce, tudo se corrompe, tudo sufoca : 0 ar e a terra, sobrecarregados de vapores umidos e nocivos, nào conseguem se depurar nem aproveitar-se das influências do astro da vida,. 0 sol dardeja inutilmente seus mais vivos raios sobre a massa fria ,. essa nào tem condiçoes de responder a seu ardor,. produzirâ apenas seres umidos, plantas répteis, insetos, e somente poderâ nutrir homens frios e animais débeis"(2).

À luz desse pensamento, qualquer forma de intervençao sobre povos/culturas nao ocidentais seriam aceitaveis. A utilizaçao das populaçoes originarias da Amazônia pela açao missionaria religiosa foi a base politica da açao colonial e 0 espirito que conduziu à descaracterizaçao das diversas formas de unidades tribais anteriores. A educaçao tern a funçao uniformizadora dos contatos entre indios e brancos em uma pratica de transculturaçao em que a prevalência colonial nao era posta em duvida. A destribalizaçào de naçoes e grupos indigenas, realizada pela submissao militar, e a nacionalizaçào forçada, foram aliados à politica agricola e à formaçao de uma maode-obra regional resguardada pela fortificaçao das margens, do centro e das fronteiras do territorio e da bacia amazônica. A geopolitica da conquista inclui a educaçao como doutrinaçao : ensino da civilidade e da fée
"A posse da América pelos europeus impôs aos povos americanos as condiçoes politicas da subalternidade do mundo civilizado. A colonizaçào produtiva das terras impôs às populaçoes indigenas as condiçoes econômicas da desigualdade do dominador. A inserçào da Amazônia na historia européia nào foge à regra. Ao trajeto do loteamento ibérico do territorio corresponde 0 processo de conversào dos indios em suditos de terceira ordem. De segmento desconhecido, negado em sua alteridade, os povos indigenas também têm um trajeto : aliados, inimigos, vencidos, servos de Deus, escravos particulares e servos do Estado. No percurso da colonizaçiio"(3) .

A educaçao colonial foi, marcadamente, urn conjunto de praticas persuasivas e coercitivas, de matriz religiosa e laica, que visava a cristianizaçao de indios e de suas culturas para toma-Ios "produtivos" a Deus e a Sua Majestade. Periodos importantes desse projeto educacional merecem ser referidos: 1) Entre 0 Século XVI e XVIII, as orientaçoes acerca da conversao dos desconhecidos em suditos estavam definidas nas instruçoes de 1548 que legitimavam 0 papel pedagogico dos jesuitas
6

no projeto colonial mediante a catequese, proteçao da liberdade dos indios e a educaçao e aldeamento dos mesmos. Esta preponderância dos jesuitas sobre os demais religiosos na Amazônia selou-se a partir de 1614, quando julgou-se inconveniente a presença de capuchinhos franceses, primeiros religiosos entre os indios na regiao(4). 0 auge desse periodo corresponde ao dominio dos padres da Companhia de Jesus na Regiao Amazônica (antigos Estados do Maranhao e do Grao Para), normatizados no Regimento e Leis das Missôes, onde os jesuitas teriam nao s6 0 governo espiritual, mas, também, 0 temporal das aldeias que administrassem. As atividades dos jesuitas eram, primeiramente, as de pregaçao, moralizaçao de costumes e controle das relaçôes entre indios e brancos, condiçao que os colocou, em varias circunstâncias, como defensores dos indios diante das tentativas de escravizaçao destes pelos colonos. Posteriormente, a atividade sertanista organizadora das populaçôes, com funçao econômica e sentido autonomista em relaçao à Coroa Portuguesa, passa a sobrepujar as atividades catequistas e a concorrer corn as atividades dos colonos, motivo posterior de conflitos que resultaram no afastamento desses religiosos do projeto colonial. 2) Durante 0 Século XVIII, especialmente no carater da legislaçao do Estado Português para a criaçao do Diretorio Pombalino (1757-1798)(5), periodo que corresponde ao processo de criaçao da Amazônia Portuguesa propriamente dita e às suas estruturas de desigualdades concernentes. Constata-se, no corpo da legislaçao pombalina e nas suas recomendaçôes gerais que 0 estado de rusticidade, ignorância e inaptidao para 0 autogoverno dos indios torna necessaria a civilidade, a conveniência da racionalidade e da intervençao do Estado sobre os povos e culturas locais. Frente à desordem, à dispersao, e à reiteraçao da vida primitiva, conforme prega 0 Diretorio, impôe-se a necessidade do equilibrio, da justiça e da igualdade de prêmio e de castigo na regulamentaçao da ordem interna pelos diretores de aldeias e de povoaçôes. 0 processo de colonizaçao da nome de educaçao para a reforma de costumes, para a obrigatoriedade de Lingua Portuguesa, ao ensino basico, aos estimulos de ascensao e diferenciaçao social, à organizaçao da descendência familiar segundo os costumes do civilizador, aos habitos de vestimenta e de moradias particulares. A funçao politica das Escolas e dos Mestres, define, na pratica educativa, 0 carater da sociabilidade que se forma através da aprendizagem e do conteudo basico a serem 7

adotados : religÜio, leitura e contas para os meninos ; e, para as meninas, além do ensino basico, fiar, fazer renda, cultura e outros "ministérios proprios do sexo "(6). As classes deveriam ser separadas por sexo e, à exceçào da ausência de professores para 0 mesmo gênero, poderiam funcionar de forma mista para 0 ensino minimo da Lingua Portuguesa ; a escola deve subordinar-se aos objetivos politicos do Estado e deve ser public') com uma pequena contribuiçào feita pelos pais dos indios alunos ; os professores, tais como os outros funcionarios politicos, devem ser da exemplar moralidade do conquistador(7). Estudo da educaçào dessa época até 0 Século XIX indica que "os funcionarios da politica pombalina} 'educadores} laicos privilegiaram 0 ensino da Lingua Portuguesa para a conversiio forçada dos indios em suditos e para a criaçiio do mercado colonial regional. A politica do Es tado} nos fins do Século XIX, passa a combinar a educaçiio pela instruçiio publica (filosofia, retorica, gramatica e primeiras letras), de responsabilidade do Estado, com as aulas de artilharia (treinamento e formaçiio militar) e Escolas de Praticos Instruçao e Navegaçiio Fluvial, em Belém"(8). A avaliaçào das potencialidades do educando colonizado estava expressa desde 0 Século XVIII: "Aos jovens indios que demonstrassem capacidade, deveria ensinar oficios de acordo com as suas tendências. Se niio houvesse possibilidade de aprenderem determinados oficios na povoaçiio, deveriam ser mandados a Belém ou Siio Luis, onde seriam educados com 'Amor e Caridade '. Aos mais capazes recomendava ensinar-Ihes a Lingua Latina, verificando as possibilidades de torna-Ios sacerdotes e fazê-Ios compreender 0 verdadeiro objetivo da politica reinol, que é de civiliza-Ios e niio de tiraniza-Ios, como tem acontecido até 0 momento. Os indios que niio aceitassem 0 estudo das letras deveriam ser encaminhados ao trabalho de cultura da terra... Recomendava também, (..) manter os indios permanentemente ocupados, uns na construçiio das casas da nova aldeia, outros plantando, pescando, porque s6 dessa maneira seria possivel fazê-Ios viver num ambiente de fartura e paz"(9). 3) 0 periodo do fim do Diretorio Pombalino e 0 da criaçào do Corpo de Trabalhadores, em 1798, quando 0 Govemo Colonial Português apresenta nova postura em relaçào às sociedades coloniais regionais, marcadamente de carater anti-indigenista. Os indios, agora populaçào destribalizada e configurados como parte das populaçoes regionais, tinham opçoes limitadissimas nas instituiçoes coloniais do fim do Século XVII e inicio do Século XIX. Moreira Neto apreende as caracteristicas das politicas oficiais dessa época, que denomina de ''politica de rejeiçào radical do indio que deve ser eliminado

8

fisicamente e sucedido por populaçoes mais conformes às exigências do progresso e da civilizaçiio"(lO) ; os indios passaram a ser simplesmente mào-de-obra agricola e extrativa, milicianos das organizaçôes militares, servos dos pesqueiros e das manufaturas reais ; eram os "assimilados" pelas relaçôes coloniais. Aspectos da socializaçào, mediante praticas educativas, desaparecem nesse periodo para darem lugar, apenas, à coerçào e à desigualdade de castas que constituiram a matriz politica e cultural da Amazônia Brasileira. Periodos subsequentes atestam a gradativa desarticulaçào tribal, a expropriaçào espacial, a desigualdade econômica representadas, politica e demograficamente, pelas populaçoes regionais. "Indiferenciadas, miscigenadas, transformando-se em tapuias, caboclos, camponeses sem terra, trabalhadores urbanos, trabalhadores agricolas, ou isoladas com limitadas possibilidades de expansiio e sobrevivência. As Naçoes resistentes - agora simplesmente etnias arredias - debatem-se, no Século XIX, contra os sucessivos atraimentos, descimentos, catequese, guerras ofensivas, ... caracterizando um fluxo de aproximaçiio/isolamento dos indios à sociedade regional que sera decisivo na continuidade da exploraçiio indigena pelo Governo Imperial do Brasil. (..) Os suditos inferiores da colônia, transformados em cidadiios subalternos da ordem nacional, ainda fariam sua propria historia. Ou, pelo menos, dela seriam, também, atores"( Il).

2- Problemas contemporâneos

da Amazônia

Essas referências historicas da formaçào social regional nos permite indagar: é possivel pensar em uma Regiào Amazônica plena, humanizada, rica e desenvolvida ? Em que medida os problemas da historia e da cultura econômica das forças regionais identificam-se com urn projeto de prosperidade, autônoma de interferências e em beneficio das populaçoes amazônicas ? Os processos que envolvem a educaçào e a mudança social têm sido capazes de alcançar as especificidades da historia e das culturas regionais ? Em que medida as populaçoes atuais da Amazônia podem merecer atençoes basicas de educaçào que lhes propicie uma posiçào menos problematica nos modos de sobrevivência socialmente gerados ? As questoes sào muitas e de dificil equacionamento. Vislumbra-se, na Amazônia em geral, e no Estado do Amazonas em particular, urn novo "surto produtivo" no mesmo âmbito da estrutura da desigualdade capitalista na Regiào, que, em principio, nào esta 9

vinculado à capacidade dos serviços disponiveis na estrutura ocupacional existente e, portanto, alheia aos problemas postos na educaçào formal em nivellocal. o debate contemporâneo da Amazônia, articulado à problematica do trabalho e do desenvolvimento, e que supoe educaçào, mudança social e atitude de decisào politica no quadro das disparidades e desigualdades regionais, nào pode ser desvinculado das questoes amplas que envolvem a economia mundial e as formas pelas quais os seus mecanismos de realizaçào estào imbricados nos Estadosnaçoes, regioes econômicas, lugares. Ao mesmo tempo, esse debate fica sem respaldo heuristico se nào estiver situado nas experiências de contato da Regiào corn 0 pensamento e a pratica econômica de produçào da riqueza e da dominaçào, de urn lado, e de outro, corn 0 pensamento e a pratica de açào social "humanizadora", "civilizatoria", "interventora" sobre os espaços, populaçoes e culturas locais. As forças de organizaçào e de articulaçào da Amazônia aos nexos produtivos do Brasil estào preocupadas com urn novo discurso que alcance as probabilidades de autosustentaçào da Regiào. 0 modelo de exploraçào dos recursos naturais, que foi amplamente apoiado pela estratégia dos "Grandes Projetos", e pela politica de modemizaçào da Amazônia nos govemos militares, reaparece envolto no discurso e na açào de movimentos ambientalistas e até na critica da crise da modemizaçào, agora corn 0 apoio da opiniào cientifica mundial, no que diz respeito ao manejo de areas de interesse planetario. A riqueza natural da Amazônia sempre esteve no horizonte desse pensamento econômico. No periodo colonial essa potência de braços e de produtos justificava 0 fomento e a implantaçào de mecanismos de integraçào ao sistema colonial e à politica mercantil. No periodo imperial e provincial, firmadas as bases conservadoras do Estado-naçào e configuradas as diferenças intra e inter-regionais, suspeitava-se da eficacia de investimento em areas inospitas, salvo pela possibilidade de 0 tapuio ou tapuia retribuir corn trabalho nào pago os custos de uma intervençào econômica na Amazônia. Os periodos de exploraçào da borracha e 0 seu subsequente declinio demonstraram, para as forças econômicas e para a açào do Estado, que nào ha limites para a integraçào de regioes à economia capitalista nem para a desconexào forçada dessas mesmas aos interesses que movimentam as gentes, os capitais e os recursos técnicos. 0 pensamento desenvolvimentista da economia brasileira dava 10

preeminência às politicas de valorizaçào regional, que so adquiriram dimensào importante quando foram acopladas ao mercado. Em todas as perspectivas do pensamento econômico para a Amazônia, a transformaçao de recursos naturais em "riqueza" , "produçao", "fator produtivo" e "fonte de desenvolvimento" tern sido uma constante; e, hoje, nao é diferente. Os residuos das agências de desenvolvimento regional, aqui representados na SUFRAMA Superintendência da Zona Franca de Manaus - recorrem ao mesmo argumento. A Amazônia é "dona da maior Biodiversidade do planeta e tem pela frente 0 desafio de transformarsuas riquezas naturais emfonte de desenvolvimento econômico e social sem destruiçao ambiental. É
fundamental investir em pesquisa cientifica e tecnologia para desenvolver 0 mais promissor polo industrial da regiào : a Bioindustria"( 12).

o espirito confesso do Programa Brasileiro para 0 Uso Sustentavel da Biodiversidade da Amazônia - PROBEMI AM - é a
criaçao de urn polo de Bioindustria em Manaus desenvolvido pelo Govemo Federal em parceria com a SUFRAMA. 0 CBA - Centro de Biotecnologia da Amazônia, a ser construido em Manaus, "reunira cientistas brasileiros e estrangeiros para desenvolver pesquisas para fins industriais com plantas, veneno animal, residuos naturais entre outros produtos da Biodiversidade amazônica e as descobertas realizadas serào industrializadas. (..) A expectativa é de que em cinco anos 0 complexo esteja concluido, em pleno funcionamento e ja apresentando os primeiros resultados"(13).

A julgar pelos nucleos de difusao do discurso emergente da bioindustria na Amazônia, os parceiros desses investimentos sao agentes econômicos mundiais. A SUFRAMA divulgara 0 programa em Atlanta, Los Angeles, Nova York, Toquio, Milao e Londres, além da participaçao recente em Paris, na Exposiçao "É Tempo de Brasil". A viabilidade econômica é apresentada pelo potencial "inestimavel" da bioindustria e espera-se que os seus efeitos proporcionem a "ocupaçfio de uma mfio-de-obra ociosa que encontra-se pulverizada pela Regifio"(14). A SUFRAMA apresenta sua proposta de consolidaçao de novas altemativas de investimentos e empreendimentos para a Amazônia mediante urn conjunto de fatores que considera favoraveis, entre os quais: 1) a existência de urn parque industrial desenvolvido, com mais de 400 empresas que usam tecnologia de ponta e empregam mao-de-obra local da Regiao ; Il

2) a posiçao geografica estratégica do parque industrial, que favorece aos novos empreendimentos pela facilidade de acesso ao mercado extemo e pelos investimentos que estao sendo realizados em infra-estrutura para garantir energia elétrica e vias de escoamento da produçao, através de estradas e rios e, ainda, em funçao dos incentivos fiscais concedidos aos produtos da ZFM ; 3) providências de carater legal estao sendo realizadas para contrataçao de obras publicas e idendificaçao de parcerias com instituiçoes de pesquisas e investidores nacionais e estrangeiros, parceiros preferenciais desse programa. o desenvolvimento sustentavel, como uma noçao ampla que sustenta tanto a critica da modemizaçao como as necessidades de adequaçao do discurso institucional das agências govemamentais de desenvolvimento regional, especialmente em relaçao à ZFM, passa a ser uma chave para compreender as nuances do debate atual sobre educaçao, mudança social e desigualdade na Amazônia. Se 0 movimento ambientalista abraçou 0 desenvolvimento sustentavel como uma categoria intermediaria entre 0 sentimento de preservaçao da Amazônia às geraçoes futuras e às necessidades geradas pela pobreza das populaçoes regionais, é preciso ter claro até onde ha consenso no entendimento dessa categoria. 0 argumento de que a ZFM é urn tipo de atividade econômica que nao permitiu a destruiçao das condiçoes naturais do Estado do Amazonas, pelo fato de que 0 desmatamento aqui é baixo, nao se sustenta quando se refere ao ambiente urbano e corn a qualidade de vida dos habitantes da cidade. o modelo esgota-se pela ineficiência econômica da politica de subsidios em urn contexto nacional de reduçao de investimentos estatais nas demandas regionais. Ha circunstâncias gerais que traduzem 0 sentido da Amazônia como uma regiao problematica : a sua inserçao diferenciada e desigual nos esforços de realizaçao do Estado-naçao, ou seja, na sua composiçao no processo de formaçao da sociedade nacional e, atualrnente, a sua condiçao de "patrimônio fisico e cultural" da Terra enquanto debate-se diante de problemas de desenvolvimento hurnano basicos. A prime ira circunstância é produto de urn conjunto de processos politico-econôrnicos e socioculturais que resultararn na Amazônia Brasileira como uma parte do territorio nacional, em constante fragilidade em relaçao à manutençao de condiçoes concretas de soberania e de "pertencimento" à sociedade nacional. As populaçoes arnazônicas, que hoje sao perto de 20 milhoes, ainda 12

sofrem problemas de realizaçao da cidadania, de reconhecimento das culturas de seus povos originarios e de ausência de atençao fundamental do Estado. A segunda transpoe os limites politicos do Estado-naçao pela forma de inserçao da vida produtiva da regiao na economia intemacional e pela condiçao de os espaços amazônicos constituirem importantes conexoes com as determinaçoes flsicas de manutençao da terra como um sistema vivo, com as determinaçôes politicas do ambientalismo mundial e suas redes de cooperaçao intemacional. A Amazônia possui urn conjunto de problemas que expressam necessidades nao supridas e questôes nao equacionadas. Os chamados ciclos econômicos (borracha e Grandes Projetos, inclusive 0 da Zona Franca de Manaus) e as politicas nacionais nao conseguiram criar estruturas permanentes de apoio ou de sustentaçao do desenvolvimento regional articulado com as possibilidades de autosustentaçao. Persistem na Amazônia os objetivos de integraçao nacional, de reduçao das desigualdades e desequilibrios regionais, como sinalizadores de que a despeito dos recursos mobilizados e investidos na regiao e a despeito de 0 Estado-naçao ter uma divida corn as populaçôes regionais, pouco foi conseguido. 0 desequilibrio acentuado de participaçao da regiao na economia brasileira deixou a Amazônia refém dos chamados "grandes projetos" ou politicas especiais de desenvolvimento regional epis6dicas, voluntaristas, descontinuas, ao contrario dos nexos de continuidade da desigualdade. o "custo amazônico", fator que indicava aos provaveis investidores e à burocracia do Estado 0 quanto custaria desenvolver a regiao, ainda é urn peso significativo em termos de investimento e de implantaçao de politicas publicas. E neste contomo, a educaçao nao se constitui exceçao.

Notas
1. Cf. Antonello Gerbi acerca do debate entre os teoricos dessas teses, corn destaque para Buffon, e Cornelle de Pauw, in : 0 Novo Mundo, historia de uma polêmica (1750 - 1900). Traduçào de Bernardo Joffily. Companhia das Letras, Sào Paulo, 1996, pp. 56- 130. 2. Cf. Georges-Louis Leclerc Buffon, in : Histoire naturelle, génerale et paticulière, avec la description du cabinet du Roi, Imprimerie Royale, Paris, 1749 - 1804, apud Gerbi, op. cit., pp. 722. 3. Corrêa da Silva Marilene. 0 Paiz do Amazonas. Edua, Manaus, 1996, pp. 62-4. 13

4. Os capuchinhos avaliaram positivamente sua experiência corn os indios da Amazônia, a "aptidào que tinham para as artes e os oficios mais necessarios, como 0 de ferreiro, carpinteiro, marceneiro, cordoeiro, alfaiate, sapateiro, tecelào, oleiro e agricultor. Os missionarios tinham continuas ocasiôes de admirarem nesses indios inteligência viva e feliz". Cf. Fidelis, 1940, apud Corrêa da Silva, 1996, p. 95. 5. Diret6rio que se deve observar nas Povoaçôes dos indios do Para e Maranhào enquanto Sua Majestade nào mandar 0 contrario, ln : Boletim de pesquisa do CEDEAM, ediçào fax de 03/05/1757, assinada por Francisco de Mendonça Furtado, Govemador e Capitào General do Estado do Maranhào e do Grào Para, e sancionada em 1758 por Sebastiào Joseph Carvalho de Mello, Marquez de Pombal, irmào do referido Govemador. Cf. Publicaçào da Edua, Manaus, v.3, jan - dez./1984, pp. 86 125. 6. Cf. Paragrafos 6 e 7 do Diretorio Pombalino, apud Corrêa da Silva, pp. 70-71. 7. Idem, Paragrafos 9 -11 do Diret6rio citado. 8. Silva, Garcelenil do Lago. Educaçào na Época Colonial. Contribuiçào à Historia da Educaçào Brasileira. Ministério do Interior, SUFRAMA, Manaus, 1982, apud Corrêa da Silva, op. cit., pp. 109. 9. Idem, apud Corrêa da Silva, pp. 110. 10. Cf. Moreira Neto, Carlos de Araujo de. indios da Amazônia: de maioria à minoria (1750 -1850). Vozes, Petropolis, 1986, pp.I5-18. Il. Corrêa da Silva, Marilene, in : A construçào da Amazônia Lusitana. Amazônia em Cadernos, Museu Amazônico, Manaus, 1992, 52 pp. 12. C.f. Costa, Mauro, Superintendente da Suframa, em recente explicaçào de sua participaçào em eventos intemacionais, em busca de "novas empreendimentos", como "missào" desse Orgào, in : A Noticia, 21/06/98,5. 13. Idem. 14. Idem.

14

Soyez le premier à déposer un commentaire !

17/1000 caractères maximum.