O NASCIMENTO DA FILOSOFIA

De
Publié par

  • dissertation
  • exposé
Rodrigo Siqueira Batista Mito, Filosofia e Medicina na Grécia Antiga Relações entre a poesia épica, a filosofia pré-socrática e a medicina de Hipócrátes DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Filosofia do Departamento de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Orientador: Profª. Drª. Maura Iglésias Rio de Janeiro Fevereiro de 2003
  • aos colegas de pós-graduação
  • filosofia nascente
  • légat du mythe — et par conséquent
  • em filosofia
  • greek texts —
  • aos
  • hipócrátes dissertação de mestrado dissertação
  • dos pré-socráticos
  • filosofia
Publié le : mardi 27 mars 2012
Lecture(s) : 39
Source : www2.dbd.puc-rio.br
Nombre de pages : 13
Voir plus Voir moins

Rodrigo Siqueira Batista
Mito, Filosofia e Medicina na Grécia Antiga
Relações entre a poesia épica, a filosofia
pré-socrática e a medicina de Hipócrátes
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
Dissertação apresentada como requisito
parcial para obtenção do grau de Mestre
pelo Programa de Pós-graduação em
Filosofia do Departamento de Filosofia da
Pontifícia Universidade Católica do Rio de
Janeiro (PUC-Rio).
Orientador: Profª. Drª. Maura Iglésias
Rio de Janeiro
Fevereiro de 2003Rodrigo Siqueira Batista
Mito, Filosofia e Medicina na Grécia Antiga
Relações entre a poesia épica, a filosofia
pré-socrática e a medicina de Hipócrates
Dissertação apresentada ao Programa de Pós-
graduação em Filosofia do Departamento de
Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do
Rio de Janeiro (PUC-Rio), como parte dos
requisitos parciais para obtenção do título de
Mestre em Filosofia.
Profª. Drª. Maura Iglésias
Orientador
Departamento de Filosofia – PUC-Rio
Profª. Drª. Irley F. Franco
Prof. Dr. Ivan M. Frias
Faculdade de Medicina de Teresópolis – FESO
Prof. Dr. James B. Areas
Departamento de Filosofia – UERJ
Rio de Janeiro, 14 de Fevereiro de 2003Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total
ou parcial do trabalho sem autorização da universidade, do
autor e do orientador.
Rodrigo Siqueira Batista
Graduou-se em Medicina (1995) e em Filosofia (2002) pela
UERJ. Especialista e Mestre em Doenças Infecciosas e
Parasitárias pela UFRJ, atualmente é professor adjunto de
Clínica Médica da Fundação Educacional Serra dos Órgãos
(FESO) e coordenador do Núcleo de Estudos em Filosofia e
Saúde (NEFISA) desta mesma instituição.
Ficha Catalográfica
Siqueira Batista, Rodrigo
Mito, filosofia e medicina na Grécia antiga. Relações entre
a poesia épica, a filosofia pré-socrática e a medicina de
Hipócrates / Rodrigo Siqueira Batista ; orientador : Maura
Iglésias. – Rio de Janeiro : PUC, Departamento de Filosofia,
2003.
[13], 175 f; 30 cm
Dissertação (mestrado) – Pontifícia Universidade Católica
do Rio de Janeiro, Departamento de Filosofia.
Inclui referências bibliográficas.
1. Filosofia – Teses. 2. Mito. 3. Medicina. 4. Grécia. I.
Iglésias, Maura. II. Pontifícia Universidade Católica do Rio de
Janeiro. Departamento de Filosofia. III. Título.
CDD: 100Ao meus amados filhos Gabriel e Beatriz,
grandes esteios para o meu ideal de ser mestre.Agradecimentos
À minha orientadora Professora Maura Iglésias, pela confiança em aceitar-me
como orientando, estimulando-me em cada passo da realização do trabalho.
Ao meu amigo e irmão Romulo, pelo companheirismo, estudo e fraternidade
nestes dois anos de caminhada.
À Andréia Patrícia Gomes, companheira de dias e noites, pela paciência em ler
cada parte deste trabalho.
Aos meus pais, Argemiro e Evanir, sentido e direção para a vereda até aqui
percorrida.
Aos caros professores Ivan Frias, Irley Franco e James Arêas, muito mais do que
integrantes da comissão examinadora, docentes que muito participaram em toda
minha vereda pela filosofia.
Aos diletos amigos Sávio Silva Santos e Diana Watts Santos pela leitura do texto
e auxílio nas traduções.
Aos caríssimos Anderson Corrêa, André Botelho, André Rendano, Edgar Lyra,
Elcio Braga, Frederico Guerra, José Helayel, Leandro Chevitarese, Luís E. M.
Quintas, Sérgio Fernandes, Sérgio Neves e Yara Cecilia, estudo e
companheirismo cruciais para minha formação intelectual.
Aos colegas de pós-graduação, pelo aprendizado que pudemos buscar e trocar em
cada momento.
Aos docentes do programa de Pós-graduação em Filosofia da PUC-Rio, um
ensinamento em cada palavra.
Aos meus alunos, com os quais muito mais aprendo do que ensino.
Aos caros Luis Fernando e Edna, pelas demonstrações de apreço e pela esmerada
competência em nos auxiliar.
A todos aqueles que, com sua diversidade de propósitos, corroboraram para que
eu pudesse vir a ser mestre em filosofia.Resumo
Siqueira Batista, Rodrigo; Iglésias, Maura. Mito, Filosofia e Medicina na
Grécia Antiga. Relações entre a poesia épica, a filosofia pré-socrática e
a medicina de Hipócrates. Rio de Janeiro, 2003. 175 p. Dissertação de
Mestrado – Departamento de Filosofia, Pontifícia Universidade Católica
do Rio de Janeiro.
As origens da filosofia na Grécia têm provocado esforços para sua
compreensão desde a Antigüidade. Mais recentemente, no período compreendido
entre o final século XIX e a primeira metade do século XX, o debate sobre o
nascimento do pensamento filosófico se intensificou sobremaneira, em especial
pelo confrontamento de duas teses para a explicação do processo: (1) o milagre
grego, cujo grande expoente foi J. Burnet, na qual a filosofia representaria uma
ruptura com a tradição poética anterior — Homero e Hesíodo —, pressupondo um
conhecimento de origem empírica; e (2) a continuidade mito-filosofia, segundo a
qual ambos constituem manifestações de um mesmo Espírito. Este último
posicionamento recebeu importantes contribuições de F. M. Cornford que, em seu
livro Principium Sapientiae, descerra um consistente ataque à tese do milagre
grego, apresentando a filosofia como legado do mito — e, por conseguinte, como
saber dogmático e revelado —, além de contrapô-la à medicina hipocrática, esta
sim descontínua em relação à narrativa mítica, por ser forjada com base na
experiência e no uso dos sentidos.
Neste trabalho, procurou-se compreender a amplitude da narrativa mítica
— com base nos ensaios de M. Eliade e J. Campbell, principal — e, em um
segundo momento, se buscar subsídios nos textos gregos — poemas de Homero e
Hesíodo, fragmentos dos pré-socráticos e textos hipocráticos — para se
corroborar a idéia geral defendida em Principium Sapientiae. Pôde-se identificar
uma série de elementos simultaneamente presentes nos poemas e no pensamento
dos pré-socráticos. Ademais, a avaliação dos escritos médicos demonstrou que o
método da medicina hipocrática é marcadamente empírico, mas suas doutrinas sãoimportante legado da filosofia nascente — sobressaindo, igualmente, um estofo
dogmático —, o qual não foi devidamente considerado no ensaio de F. M.
Cornford. Neste sentido, mito, filosofia e medicina gregas possuem incontestável
coalizão —, o que não é supresa, uma vez que todos são genuínos fenômenos da
mesma cultura.
Palavras-Chave
Filosofia; Mito; Medicina; Grécia.Abstract
Siqueira Batista, Rodrigo; Iglésias, Maura (Advisor). Myth, Philosophy
and Medicine in Ancient Greece. Relations between the epic poetry,
the pre-socratic philosophy and the Hippocratic Medicine. Rio de
Janeiro, 2003. 175 p. Msc. Dissertation – Departamento de Filosofia,
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Since ancient times men have striven to understand the origins of
Philosophy. More recently, between the late nineteenth century and the first half
of the twentieth century, the debate over the origin of philosophy has markedly
increased, especially by the confrontation of two theses: (1) the Greek miracle,
whose major supporter was J. Burnet to whom Philosophy represents a break
with the former poetic tradition — Homer and Hesiod — as it implies empirical
knowledge; and (2) the myth-philosophy continuity, according to which both are
manifestations of a single one and same spirit. This latter thesis has received
important contributions from F. M. Cornford, who in his book Principium
Sapientiae, makes a consistent attack against the thesis of the Greek miracle,
showing Phylosophy as a legacy of the myth and consequently as a dogmatic and
revealed knowledge as opposed to Hippocratic medicine, which was forged based
on experience and on the use of the senses, and therefore, without any relation to
the mythical narrative.
The aim of this work was firstly to understand the range of the mythical
narrative based on M. Eliade and J. Campbell’s essays firstly, and secondly to find
support on the Greek texts — Homer and Hesiod’s poems, pre-socratic fragments
and Hippocratic texts — to corroborate the general idea defended in Principium
Sapientiae. It is possible to identify a series of elements present simultaneously
both in the poems and in the pre-socratic ideas. Furthermore, the evaluation of the
medical writings has shown that the Hippocratic medicine method is strikinglyempiric, but its doctrines are an important legacy of the rising philosophy, setting
off likewise, a dogmatic fabric that has not been duly considered in F. M.
Cornford’s essay. In this way myth, Philosophy and Greek medicine are
indisputably bound together, which is not a surprise as they are phenomena of the
same culture.
Keywords
Philosophy; Myth; Medicine; Greece.Résumé
Siqueira Batista, Rodrigo; Iglésias, Maura. Mythe, Philosophie et
Médecine dans l’Ancienne Grèce. Relations entre la poésie épique, la
philosophie pré-socratique et la médecine d’Hippocrate. Rio de Janeiro,
2003. 175 p. Mémorie de Maîtrise – Section de Philosophie, Pontifícia
Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Depuis l’Antiquité, les origines de la philosophie, en Grèce, ont entraîne
des efforts pour as compréhension. Plus récemment, dans la période comprise
entre la fin du XIXème siècle et la première moitié du XXème siècle, le débat sur
la naissance de la pensée philosophique s’est intensifié, tout spécialement avecla
confrontation de deux thèses pour expliquer le processus: (1) le miracle grec, que
J. Burnet a longuement exposé. Pour celui-ci, la philosophie représenterait une
rupture avec la tradition poétique antérieure – Homère et hésiode -, ce Qui
présuppose une connaissance d’origine empirique; et (2) la continuité mythe-
philophie, selon laquelle tous deux constituent des manifestations d’une même
esprit. Cette derniére opinion a reçu d’importantes contributions de F.M Cornford
Qui, dans son livre Principium Sapientiae, livre une bataille consistante à la thèse
du miracle grec, présentant la philosophie comme le légat du mythe — et par
conséquent, comme le savoir dogmatique est révélé — la comparant, de plus, avec
la médecine hipocratique, celle-ci ayant été discontinue par rapport au récit
mytique car elle a áté forgée à partir de l’experience et de l’usage de sens.
Dans ce travail, nous avons cherché ã comprendre l’amplitude du récit
mytique — en prenant pour base les essais de M. Eliade et de J. campbell,
principalement — puis, dans un second temps, nous avons essayé de rechercher
des points d’appui dans les textes grecs — poémes d’Homère et d’Hésiode,
extraits des pré-socratiques et textes hipocratiques — pour renforcer l’idée
générale défendue dans le Principium Sapientiae. Nous avons pu identifier une
série d’éléments simultanément présents dans les poèmes et dans la pensée des
pré-socratique. En outre, l’analyse des textes médicaux a démontré que la

Soyez le premier à déposer un commentaire !

17/1000 caractères maximum.

Diffusez cette publication

Vous aimerez aussi