Comunicaciones – Grupo 6 Ciberespaço e Sociabilidade Um Olhar ...
7 pages
Español

Comunicaciones – Grupo 6 Ciberespaço e Sociabilidade Um Olhar ...

-

Le téléchargement nécessite un accès à la bibliothèque YouScribe
Tout savoir sur nos offres
7 pages
Español
Le téléchargement nécessite un accès à la bibliothèque YouScribe
Tout savoir sur nos offres

Description

24 maio 2002 – CULTURA & POLÍTICA @ CIBERESPACIO. 1er Congreso ONLINE del Observatorio para la. CiberSociedad. Comunicaciones – Grupo 6 ...

Sujets

Informations

Publié par
Nombre de lectures 26
Langue Español

Exrait

CULTURA & POLÍTICA @ CIBERESPACIO
1er Congreso ONLINE del Observatorio para la
CiberSociedad
Comunicaciones – Grupo 6
Ciberespaço e Sociabilidade
Coordinación: Giovanni Alves y Vinício C. Martínez
(
giovanni.alves@uol.com.br
)
http://cibersociedad.rediris.es/congreso
Um Olhar Pedagógico sobre o Trailer Digital
Pollyana Notargiacomo Mustaro
Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP)
pcsn@uol.com.br
São Paulo
1971
Vera Mello
Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP)
vcqm@uol.com.br
São Paulo
1958
Resumo
Esta comunicação aborda questões relacionadas à mídia digital, mais especificamente
aos trailers cinematográficos disponibilizados na Web, explorando a convergência dos
recursos (som, imagem, texto, animação, fragmentação, velocidade, etc.), que, de
certa forma, sintetizam as características da sociedade tecnológica. Tal abordagem
necessita de uma reflexão sobre como trabalhar questões e práticas educacionais em
ambientes virtuais, onde se propõe criar/desenvolver mecanismos que permitam a
elaboração de cursos mais dinâmicos e orientados para “aprender a aprender”.
Abstract
This communication deals with matters related to the digital medium, more specifically
to cinematographic trailers, found on the Web, exploring the conversion of resources
(sound, image, text, animation, fragmentation, velocity, etc.), which somehow
synthesize the characteristics of the technological society. Such approach needs a
reflection on how to work with matters of educational practices in virtual environments,
in which it is proposed to create/develop mechanisms that allow the setting of courses
that are more dynamic and oriented to “learning to learn”.
A educação deve
‘problematizar o saber’, contextualizar os
conhecimentos, colocá-los em perspectiva, para que os
aprendentes possam apropriar-se deles e utiliza-los em
outras situações”
(BELLONI, 2001, p. 61).
O avanço tecnológico abre novos horizontes para a exposição e divulgação das artes.
Cada vez mais vemos escritores, pintores, músicos, artistas de modo geral, utilizarem
a Internet para publicarem e exporem suas obras ou suas composições musicais.
Assim, também o cinema faz uso da mídia eletrônica como forma de conquistar novos
fãs, conseguir patrocinadores, vender novos filmes e lançar seus produtos comerciais
na área de lazer e entretenimento.
Esta possibilidade de apresentação de filmes pela Internet, se por um lado é
positiva, por outro trouxe preocupação para a indústria cinematográfica quanto aos
direitos autorais que regem este universo digital e as formas legais de coibir a prática
de pirataria.
Segundo notícia veiculada em
PC Master
em 17 de agosto de 2001 e
disponibilizada na Web pelo Yahoo! Brasil Notícias – Tecnologia
1
, com o título “Estúdios
se Unem para Oferecer Filmes na Web”, vê-se nitidamente esta preocupação dos
estúdios cinematográficos. De acordo com a matéria:
“Cinco dos maiores estúdios de cinema dos EUA se juntaram para desenvolver
um serviço online de distribuição de filmes. Os estúdios oferecerão aos usuários
de banda larga os últimos lançamentos e acesso ao enorme acervo de filmes já
produzidos. As empresas também abrirão o serviço para outros produtores de
filmes que queiram utilizar esse canal de distribuição. Com essa iniciativa, as
companhias evitam ainda que seus filmes comecem a ser pirateados como
aconteceu com o Napster. Os planos para coibir o vazamento dos filmes do
serviço, é usar um software de gerenciamento de Direitos Autorais que deve ser
constantemente atualizado. O preço a ser cobrado e a data de lançamento ainda
não foram revelados.”
Portanto, o usuário da Internet deve conhecer e estar alerta para as facilidades
e restrições impostas pelos mais diversos autores que dispõem suas obras neste meio
eletrônico.
Um dos recursos utilizados pelo cinema, por seu grande potencial publicitário, é
o de exibição de trailers. O surgimento da WWW (World Wide Web) tornou mais fácil
para os fãs do cinema assistirem um trailer de uma produção que já está em cartaz,
ou, até mesmo daquela que está sendo divulgada com antecedência pela indústria
cinematográfica com o propósito de ser um chamariz para seu grande lançamento
2
.
Pereira (2002) coloca que
“Praticamente todos os estúdios de Hollywood estão
privilegiando a rede mundial de computadores para o lançamento de trailers e diversos
outros conteúdos afins com o objetivo de atrair mais público às salas de cinema e
gerar novos negócios”
. Esta estratégia, segundo Robson Pereira, praticamente duplicou
a visitação e cresceram em 75%, acessos, à Lucasfilm ao Portal SonyPictures (sendo
50% deste índice diretamente ligado ao Homem Aranha e Resident Evil)
respectivamente.
Outra técnica usada atualmente pelo cinema é a de fazer chamadas para o
próprio trailer do filme antes de liberá-lo. Esta é uma forma de criar maior impacto e
expectativa para a produção cinematográfica
3
.
Antigamente as exibições de trailers ocorriam somente nas salas de cinema.
Para ter acesso aos próximos lançamentos da indústria cinematográfica era necessário
assistir a um filme que estivesse em cartaz ou acompanhar as críticas e comentários
através da TV ou do Jornal. Com o instantaneismo da Internet, o trailer passou a estar
disponível “a um clique do mouse”.
O acesso a trailers digitais na Web também atende a outras funções e
necessidades. Através do registro de visitação às páginas onde estão disponibilizados
os trailers, tornou-se possível, para a indústria cinematográfica, avaliar o potencial
mercadológico de um filme a ser lançado. Segundo um
press release
divulgado pela
Warner Bros
4
, TheMatrix.com recebeu mais de 20 milhões de visitantes desde que o
trailer
Matrix Reloaded
foi liberado e ainda, que nas primeiras 72 horas após sua
liberação na Web no dia 15 de maio, o trailer foi copiado para as máquinas dos
usuários mais de 2 milhões de vezes, batendo os recordes de
Harry Potter
e do
Senhor
dos Anéis – A sociedade do Anel
. Estes dados são importantes, pois permitem que se
tenha uma prévia das expectativas que os fãs apresentam em relação aos filmes a
serem lançados.
O
merchandizing
também se faz presente através dos trailers quando da
execução de pequenos trechos da trilha sonora de um filme em cartaz ou a ser
lançado. Isto leva, por vezes, o consumidor a compra de CDs de músicas pertencentes
à trilha sonora sem que necessariamente vá assistir ao filme. Inclusive, a indústria
cinematográfica começou a investir diretamente nesta área como mostra o website
“Spider-man Official Merchandise”
5
, que apresenta o seguinte
slogan: “A loja virtual
oficial do Homem Aranha encontrou um novo lar na Sony Style e lança NOVO produto
que inclue máscara temática, posters, brinquedos e a exclusiva roupa do elenco -
COMPRE AGORA!!!”
6
. Nesta página web é possível, por exemplo, adquirir a trilha
sonora do filme, livros sobre o Homem Aranha e enviar cartões postais do personagem
para um amigo.
Um elemento significativo em relação aos trailers digitais disponibilizados na
Web e que não pode deixar de ser citado é que, por serem informações codificadas
digitalmente,
“podem ser transmitidas e copiadas quase indefinidamente sem perda de
informação, já que a mensagem original pode ser quase sempre reconstituída
integralmente apesar das degradações causadas pela transmissão (telefônica,
hertziana) ou cópia”
(LÉVY, 1999, p. 51).
Além disso, a disponibilização de trailers digitais na Web tem revolucionado o
mercado de entretenimento. A possibilidade de assistir um pequeno “preview” na
Internet, uma espécie de “viodeclip” com cenas que instigam o espectador a ir ao
cinema, permite um contato direto com a própria produção e bastidores da filmagem.
Através da navegação em websites que fazem o pré-lançamento, tendo em vista a
previsão do retorno do investimento, é possível ver o trailer, ler o script do filme, ouvir
trechos da trilha sonora, fazer o
download
de
wallpapers
,
screensavers
e comprar
produtos como CDs (trilha sonora), camisetas e tantos outros objetos.
Estas novas configurações sociais, voltadas para o lazer e entretenimento,
requisitam novos profissionais que tenham um determinado domínio técnico / teórico e
habilidades para analisar, compreender e criticar a adequação dos materiais que estão
sendo disponibilizados na Web, bem como imaginar e refletir sobre as possíveis
tendências deste mercado.
Segundo Belloni (2001) a relação entre educação e tecnologia implica em
“que
o uso de uma ‘tecnologia’ (no sentido de um artefato técnico), em situação de ensino e
aprendizagem, deve estar acompanhado de uma reflexão sobre a ‘tecnologia’ (no
sentido do conhecimento embutido no artefato e em seu contexto de produção e
utilização)”
(p. 53).
Tomando como base essa visão de Belloni e as possibilidades geradas pela
tecnologia, tanto como instrumento de ampliação do espectro comunicacional e
interativo quanto facilitador do acesso às informações presentes na Web, acreditamos
ser pertinente a necessidade de criar "espaços virtuais" para a discussão e reflexão
conjunta e orientada das questões relacionadas aos trailers digitais. A configuração
desses espaços virtuais requer um projeto estruturado que trabalhe as características
e analise as linguagens utilizadas nos trailers cinematográficos para a divulgação de
filmes, envolvendo elementos interdisciplinares e hipermidiáticos.
O estudo desses elementos pode ser feito em um curso de extensão, oferecido
a distância, on-line, com carga horária de 30 horas (distribuídas em 5 semanas) a
alunos graduados interessados em analisar e refletir criteriosamente sobre trailers
cinematográficos disponibilizados neste novo substrato eletrônico. Para participar do
curso, o candidato precisa atender a alguns requisitos básicos: ter acesso à Internet e
fluência tecnológica – que lhe permita fazer pesquisa na Web e manipular ferramentas
de interação (síncronas, assíncronas e de compartilhamento) –, ter tempo disponível
para participar de fóruns de discussão e (se necessário) de
chats
e conhecimento
intermediário da língua inglesa para leituras de textos.
Um curso nestes moldes seria orientado por uma dupla de professores, oriundos
das áreas de Língua Estrangeira e de Comunicação, que ofereceriam não só suporte
lingüístico e teórico, mas também atividades on-line que permitissem aos alunos
interagir (com os colegas, com o material, com o professor e com a própria interface
do programa utilizado), elaborar comentários, levantar questões e construir
coletivamente conhecimentos. Esta proposta de criação de um ambiente colaborativo e
participativo digital está pautado nas Novas Tecnologias de Comunicação e Informação
(NTCIs),
“que oferecem possibilidades inéditas de interação mediatizada (professor/aluno;
estudante/estudante) e de interatividade com materiais de boa qualidade e
grande variedade. As técnicas de interação mediatizada criadas pelas redes
telemáticas (e-mail, listas de discussão, webs, sites, etc.) [...] permitem
combinar a flexibilidade da interação humana (com relação à fixidez dos
programas informáticos, por mais interativos que sejam) com a independência
no tempo e no espaço, sem por isso perder velocidade”
(BELLONI, 2001, p.59).
Para trabalhar com a análise crítica e reflexiva de trailers digitais em um curso
formatado para veiculação on-line, é necessário estabelecer uma estrutura temática
modular que oriente as leituras e navegações dos alunos e atente para: as
características e funções dos trailers disponibilizados on-line, as linguagens utilizadas
nesses trailers (vídeo, som, texto, etc.), as questões relacionadas aos direitos autorais
e as formas e os critérios de análise destes pequenos excertos de filmes.
Com relação aos módulos, eles devem conter, além de textos escritos pelos
próprios docentes do curso, instruções sobre como trabalhar com as informações,
textos selecionados e disponibilizados na Web (através de um redirecionamento
automático para o website original de hospedagem da página em questão) e exercícios
complementares aos estudos. A utilização de ferramentas de comunicação assíncrona
(fórum) e síncrona (chat) completam este quadro, pois permitem que se estabeleça
uma discussão sobre as temáticas modulares e interações entre os participantes do
curso (bem como com o professor).
A proposta de um curso on-line desse tipo também deve estar pautada em uma
filosofia de acompanhamento e avaliação do processo e do crescimento intelectual dos
alunos, pois
“usar todas as novas tecnologias na educação e na formação sem mudar
em nada os mecanismos de validação das aprendizagens seria o equivalente a inchar
os músculos da instituição escolar bloqueando, ao mesmo tempo, o desenvolvimento
de seus sentidos e de seu cérebro”
(LÉVY, 1999, p. 175). Em cursos on-line a
avaliação pode ser feita a partir da participação dos alunos nos debates, da interação
com os colegas e professores e, no caso de trailers digitais, da confecção de um
projeto final de análise crítica e reflexiva de um trailer escolhido pelos próprios alunos
e elaborado em duplas ou em pequenos grupos. Estes trabalhos (e o
feedback
relacionado a eles) também seriam disponibilizados on-line, para que todos pudessem
debater a respeito e ver as soluções encontradas pelos colegas para a aplicação dos
conhecimentos adquiridos durante o período do curso. Outra ação complementar, para
que este embrião de comunidade de discussão e análise de trailers digitais continuasse
a desenvolver seus estudos e discussões de forma autônoma, seria a criação de uma
lista de discussão em ambiente público e gratuito. Isto garantiria a liberdade para a
manutenção dos debates e contato pessoal entre os integrantes da turma.
Para a viabilização do curso on-line é necessária uma divulgação prévia, através
de vários veículos de comunicação e através do Website da própria Instituição
responsável pelo curso, com informações pertinentes (ementa, prazos de inscrição,
pré-requisitos, formas de inscrição e preço), e um formulário para a inscrição. Após o
processo de inscrição e formação da turma é possível iniciar as atividades elaboradas
para esse fim.
Outra questão importante no que tange a facilitar o processo de viabilização do
curso está relacionada à implementação deste através de uma plataforma de
gerenciamento e administração de cursos on-line, tal como, WebCT, Blackboard, entre
outras. Estas plataformas oferecerem uma interface amigável, personalizável e
ferramentas (administrativas, de mediação e colaboração, de manutenção e
armazenamento de conteúdos e de gerenciamento dos alunos, incluindo dados
estatísticos e relatórios). De forma complementar, esta estrutura também necessita de
Suporte Técnico que ajude tanto os professores quanto aos alunos a solucionar
problemas desta ordem.
Finalmente, com o intuito de implementar um curso on-line de qualidade, é
importante ter uma equipe de desenvolvimento e manutenção formada por:
Professores – Um Professor de Língua Inglesa e um Professor da Área de
Comunicação ou Pedagogo com experiência ou cursos e pesquisas na área de
comunicação e mídia digital. Ambos deverão ter, ainda, conhecimentos de
linguagens para a produção de arquivos para visualização através de
browsers
(navegadores), hipertexto e da integração destes elementos com o sistema
escolhido para disponibilização do curso.
Suporte Técnico – O suporte técnico poderá ficar a cargo de um dos integrantes
da equipe de analistas da instituição ou universidade, contanto que este
também tenha conhecimentos do ambiente virtual e das ferramentas
implementadas pelos professores para o curso.
Suporte Administrativo – Este ficará a cargo da Secretaria Geral da instituição
ou Universidade responsável pelo oferecimento e pela certificação do curso.
Este formato de curso, oferecido on-line, apresenta propostas educacionais
mais condizentes com as exigências da sociedade tecnológica (sociedade da
informação), onde, através de práticas interativas e comunicacionais, o aluno tem a
possibilidade de aprender a se manifestar perante os produtos culturais apresentados
digitalmente. Sendo esta uma área totalmente nova requer estudos e análises mais
aprofundados que permitam avançar na discussão acadêmica para a instituição de uma
nova educação que venha a contribuir para a formação de indivíduos críticos e
reflexivos.
BIBLIOGRAFIA
BELLONI, Maria Luiza, 2001,
Educação a distância.
2.ed. Campinas, SP:Autores
Associados. (Coleção educação contemporânea)
CHAU,
Thomas.
“Matrix
trailers
set
online
record”,
Cinecon
,
24/05/02
http://www.cinecon.com/news.php3?d=020524&n=4
“Estúdios se unem para oferecer filmes na Web”,
PC Master
, Yahoo! Brasil Notícias,
Tecnologia, 17/08/01
http://br.yahoo.com/noticias/tecnologia/pcmaster/article.html?s=br/noticias/010817/t
ecnologia/pcmaster/Estudios_se_unem_para_oferecer_filmes_na_Web.html
LÉVY, Pierre, 1999,
Cibercultura
. 1.ed. Trad. de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed.
34. (Coleção TRANS)
PEREIRA, Robson. “Trégua na batalha entre cinema e Internet – Estúdios recorrem
cada vez mais à rede para lançar trailers e atrair público para as salas”, Caderno 2,
O
Estado de S. Paulo,
Quinta-feira 25 de Abril de 2002
http://www.estado.estadao.com.br/editorias/2002/04/25/cad033.html
SONY
Pictures.
“Spider-man
Official
Merchandise”,
2002
http://www.spiderman.sonypictures.com/store/
NOTAS
1
“Estúdios se unem para oferecer filmes na Web”,
PC Master
, 17/08/01.
2
Este é o caso, por exemplo, do filme
Matrix Reloaded
, cujo trailer já pode ser assistido embora o
lançamento do filme esteja previsto somente para 2003
3
Exemplo disso pode ser visto em: [http://planeta.terra.com.br/arte/pod/chamada.htm], onde o anúncio da
liberação do trailer do filme
Matrix Reloaded
se dá através de uma foto do filme, data e endereço de
acesso ao trailer digital. O website ainda pode ser acessado, embora o trailer do filme tenha sido liberado em
15/05/02.
4
Os dados foram compilados a partir do texto original que se segue:
“ ‘Matrix’ trailers set online record
“POSTED ON 05/24/02 AT 10:00 A.M.
“BY THOMAS CHAU
“The following is a press release sent out by Warner Bros. regarding the popularity of the ‘Matrix’ trailers,
which hit the next on May 15th.
“BURBANK, CA, May 23, 2002 - Fans around the globe have converged upon TheMatrix.com to view the first
teaser trailer for The Matrix Reloaded and The Matrix Revolutions, the hotly anticipated sequels to Warner
Bros. Pictures' ground-breaking, Academy Award-winning action blockbuster The Matrix.
“TheMatrix.com has received over 20 million page views since the teaser trailer was released, demonstrating
unprecedented web traffic at a feature film website over a year in advance of the release of The Matrix
Reloaded, the second installment in the trilogy that stars Keanu Reeves, Laurence Fishburne, Carrie-Anne
Moss and Hugo Weaving.
“In the first 72 hours following its release on May 15, the trailer was downloaded over 2 million times,
shattering records previously set by websites for Harry Potter and the Chamber of Secrets and The Lord of
the Rings. (If these Matrix downloads were played back-to-back, the trailer would run continuously for over
five years.) This translates into over 8,000 gigabytes of data being downloaded worldwide, an amount that
would typically crush or freeze most web servers - but through the power and support of the AOL server
which houses the site, fans were able to view the trailer and explore the world of TheMatrix.com to optimum
effect. […]”
(CHAU, 2002).
5
SONY Pictures. “Spider-man Official Merchandise”, 2002
http://www.spiderman.sonypictures.com/store/
6
No original:
”The Official Spider-Man Online Store has found a new home at Sony Style and features NEW
product to include Action Figures, Posters, Toys and the Exclusive Cast and Crew Merchandise BUY NOW!!!”
(SONY, 2002).
  • Accueil Accueil
  • Univers Univers
  • Ebooks Ebooks
  • Livres audio Livres audio
  • Presse Presse
  • BD BD
  • Documents Documents