Jornal_fevereiro_2015.cdr
16 pages
Português
Le téléchargement nécessite un accès à la bibliothèque YouScribe
Tout savoir sur nos offres

Jornal_fevereiro_2015.cdr

-

Le téléchargement nécessite un accès à la bibliothèque YouScribe
Tout savoir sur nos offres
16 pages
Português

Description

E S Edição: Equipas das Bibliotecas Escolares Ano letivo 2014-2015 DO NOSSO AGRUPAMENTOFevereiro Nº 12 Agrupamento em ação (ver pág. 10 - 12 e 16) Tavares Correia, o «Pintor na neve», faleceu há dez anos (ver pág. 2) Manuel Maria Barbosa du Bocage Poeta árcade precursor do Romantismo. (ver pág. 3) Dora Tracana na Bienal de Arte de Nova Iorque 2015 e no Dubai (ver pág. 4) Devaneios da escrita Atividades das Bibliotecas Escolares (ver pág. 5) (ver pág. 8-9 ) À conversa com a Dr.ª Cândida Perpétua, Coordenadora do Projeto Comenius Mais um dia... com terror (ver pág. 6 e 7) (ver pág. 14) Tavares Correia, o “Pintor na neve”, faleceu há 10 anosEditorial Em 2015 completam-se 10 anos sobre o desaparecimento do pintor senense Tavares Correia, o “Pintor “Não existe nenhum passeio fácil para a liberdade em lado nenhum, e muitos de da neve”. Encontram-se em nós teremos de atravessar o vale da sombra da morte vezes sem conta até que preparação algumas iniciativas consigamos atingir o cume da montanha dos nossos desejos.” evocativas, com destaque para Mandela, Nelson uma grande exposição retrospetiva, na Casa da Cultura, organizada Caros leitores pela Associação de Arte Imagem de Seia em colaboração com a Este ano, o primeiro número do nosso jornal coincidiu com o emergir de uma Câmara Municipal e os herdeiros do consciência coletiva, quer europeia, quer mundial, em prol da preservação de um Mestre senense.

Informations

Publié par
Publié le 17 avril 2015
Nombre de lectures 77
Langue Português
Poids de l'ouvrage 12 Mo

Exrait

E S
Edição: Equipas das Bibliotecas Escolares
Ano letivo 2014-2015
DO NOSSO AGRUPAMENTOFevereiro
Nº 12
Agrupamento em ação
(ver pág. 10 - 12 e 16)
Tavares Correia, o «Pintor na neve», faleceu há
dez anos
(ver pág. 2)
Manuel Maria Barbosa du Bocage
Poeta árcade precursor do Romantismo.
(ver pág. 3)
Dora Tracana na Bienal de Arte de Nova Iorque
2015 e no Dubai
(ver pág. 4)
Devaneios da escrita
Atividades das Bibliotecas Escolares
(ver pág. 5)
(ver pág. 8-9 )
À conversa com a Dr.ª Cândida Perpétua,
Coordenadora do Projeto Comenius Mais um dia... com terror
(ver pág. 6 e 7)
(ver pág. 14)Tavares Correia, o “Pintor na neve”, faleceu há 10
anosEditorial
Em 2015 completam-se 10 anos
sobre o desaparecimento do pintor
senense Tavares Correia, o “Pintor “Não existe nenhum passeio fácil para a liberdade em lado nenhum, e muitos de
da neve”. Encontram-se em nós teremos de atravessar o vale da sombra da morte vezes sem conta até que
preparação algumas iniciativas consigamos atingir o cume da montanha dos nossos desejos.”
evocativas, com destaque para
Mandela, Nelson uma grande exposição retrospetiva,
na Casa da Cultura, organizada
Caros leitores pela Associação de Arte Imagem de
Seia em colaboração com a
Este ano, o primeiro número do nosso jornal coincidiu com o emergir de uma Câmara Municipal e os herdeiros do
consciência coletiva, quer europeia, quer mundial, em prol da preservação de um Mestre senense. Os alunos do
direito fundamental que tem alimentado os sistemas democráticos modernos, Curso de Artes Visuais da Escola
designadamente o conceito “liberdade de expressão”. Esta necessidade acérrima Secundária de Seia irão trabalhar,
de proferir em uníssono “Je suis Charlie!” foi despoletada por um ataque fero e cruel ao longo deste ano letivo, vários
ao âmago geográfico deste conceito, a França. Sim… porque, apesar de o seu temas recorrentes na obra de
berçário ser originário da Grécia antiga, onde, na Ágora (praça pública), os cidadãos Tavares Correia. O primeiro tema, o
expressavam livremente pensamentos, foi, de facto, na França que a liberdade de desenho de paisagem com neve, foi
imprensa atingiu a supremacia, ou seja, a garantia legal de que este direito seria já abordado pelo 10ºF nas aulas de
universal; numa primeira fase, proclamado com a Revolução Francesa, em 1789, e, Desenho A. Alguns destes
posteriormente, consolidado sob a 3ª República, com a lei de 1881. Assim, seria um trabalhos podem ser vistos na
prenúncio de retrocesso humilhante e submissão devastadora, o mundo ajoelhar-se página ArtES, cujo link se encontra
e rastejar perante uma mão sanguinária e sedenta de retaliação! A crise financeira, em destaque na página do Agrupamento na Internet.
até então, no topo das atenções mundiais e com destaques permanentes nas José Tavares Correia de Carvalho nasceu em Seia a 5 de dezembro de 1908 no
primeiras páginas dos jornais de renome e outros, foi forçada a exilar-se, por algum solar que então pertencia ao avô paterno, o médico José Albano Tavares
tempo, para dar dignidade e firmeza a “um valor mais alto que se alevantou”. E todos Segurão (1844-1932). Surdo-mudo de nascença, aprendeu a ler no Instituto de
os olhos se viraram para França, a fim de prestarem homenagem à coragem ímpar e Surdos-Mudos da Casa Pia de Lisboa – ao tempo, o único estabelecimento de
testemunharem o reerguer da liberdade das cinzas. ensino especial – e acabou por tirar aí o curso de desenhador. Frequentou
Foi, sem dúvida, um aviso de bravura e de renúncia dirigido aos impulsionadores da depois a Escola de Belas Artes de Lisboa e a Sociedade Nacional de Belas
aniquilação da consciência humana. Artes, entre 1926 e 1929, sendo discípulo dos mestres José Campos,
- Viva à fertilidade e criatividade intelectuais! Frederico Ayres e Alfredo Morais.
Por outro lado, também não podemos ignorar que este tétrico episódio também vem Depois de ter alcançado algum reconhecimento em Paris, expondo, em 1929,
pôr em causa o caminho que o mundo tem seguido na preparação do futuro. E no Salão dos Artistas Internacionais, obteve grande sucesso em Lisboa,
parece que a falta de diálogo, a violência e a provocação não levam à senda da paz. vendendo todos os quadros nas duas exposições que aí realizou em 1932 e
Os líderes mundiais já não podem procrastinar este assunto por mais tempo, pois 1934. Os jornais da época consideraram-no, então, “uma revelação no meio
disto depende um legado de concórdia e reconciliação para as gerações vindouras. artístico português” e chamaram-lhe “o pintor da neve”. Tavares Correia só não
No momento, todos sentimos que esta atitude de insurgência e repúdio irá, ainda, se tornou uma autêntica revelação da pintura nacional por ter chegado a Lisboa
fazer “atravessar o vale da sombra da morte vezes sem conta”, como afirma em anos que antecederam o reconhecimento do Modernismo português e por
Mandela, porém, o mundo continuará, com a mesma euforia e perseverança, a ter decidido depois fixar-se em Seia e dedicar-se à sua terra natal, onde
escalar a linha da liberdade. Isto é um facto! investiu os lucros obtidos nas exposições na capital.
Amigo leitor, esta vontade também está plasmada na panóplia de atividades que Apesar das limitações físicas que o acompanharam toda a vida, trabalhou nos
ressalta das páginas do nosso jornal, onde o pulsar da individualidade sobressai nas serviços técnicos da Câmara de Seia durante 41 anos e expressou na sua obra
ideias, experiências e projetos partilhados. Podemos proferir que também nós plástica um particular sentido de beleza e carinho por Seia e pela Serra da
usufruímos da liberdade de materializar os nossos pensamentos! E … tomar Estrela. Realizou diversas exposições nas principais cidades portuguesas,
conhecimento do trabalho do outro é a melhor prova de respeito pela sua liberdade tendo também participado como cineasta amador em vários festivais de
de expressão. cinema, com prémios em Portugal, Espanha, Malta e África do Sul.
Depois de se aposentar, em 1978, dedicou mais tempo à pintura, realizando
A Equipa anualmente uma exposição individual em Seia. Em 2000, com 92 anos de
idade, decidiu deixar de pintar por motivos de saúde, colocando um ponto final
numa carreira de 74 anos em que pintou mais de 2.200 quadros e 600 retratos.
Para além da atribuição da Medalha de Mérito Municipal, em 1985, e da
instituição de um Prémio Nacional de Pintura, em 1993 e 1996, o pintor
senense foi homenageado em final de carreira pela Casa Pia de Lisboa,
Encontro de Artes ’93 - Escola Evaristo Nogueira e no Festival Artis (2004). Em
2006, no 20º aniversário da elevação de Seia à categoria de cidade, o nome do
pintor senense foi atribuído à rua das escolas, que começa ao fundo da Beira
Lã e segue pela piscina municipal a caminho da Escola Secundária. Esta
escolha associou o nome do Mestre Tavares Correia à Escola Básica que foi
baptizada com o nome do seu primo, Dr. Guilherme Correia de Carvalho, hoje
sede do Agrupamento de Escolas com o mesmo nome.
Sérgio Reis
Ficha Técnica
Nasci em um tempo em que a maioria dos jovens havia
perdido a crença em Deus, pela mesma razão que os
seus maiores a haviam tido - sem saber porquê. E
então, porque o espírito humano tende naturalmente Responsáveis: Equipa das Bibliotecas Escolares
para criticar porque sente, e não porque pensa, a
Composição de textos: Comunidade maioria desses jovens escolheu a Humanidade para
sucedâneo de Deus. Pertenço, porém, àquela espécie Fotografia: Comunidade
de homens que estão sempre na margem daquilo a que
Email: jornalvivencias@gmail.com pertencem, nem veem só a multidão de que são, senão
também os grandes espaços que há ao lado. Por isso
Web: http://www.aeseia.pt nem abandonei Deus tão amplamente como eles, nem
aceitei nunca a Humanidade. Considerei que Deus, Recolha de textos e organização: Elementos da equipa das bibliotecas escolares
sendo improvável, poderia ser, podendo pois dever ser
Montagem e fotocomposição: Manuela Silva adorado; mas que a Humanidade, sendo uma mera
ideia biológica, e não significando mais que a espécie Apoio técnico: Luís Pinto
animal humana, não era mais digna de adoração do que
Revisão de textos: Ana Ribeiro qualquer outra espécie animal. Este culto da
Humanidade, com seus ritos de Liberdade e Igualdade,
Tiragem: 500 exemplares
pareceu-me sempre uma revivescência dos cultos antigos, em que animais
eram como deuses, ou os deuses tinham cabeças de animais.Impressão: Tipografia Central
Rua Cesário Verde, nº1
Zona Industrial 2 Bernardo Soares, O livro do desassossego
3530-140 Mangualde
- 2 -EM DESTAQUE
MANUEL MARIA BARBOSA DU BOCAGE
guarda-marinha por D. Maria I. contra os confrades. Em 1791, foi tumultos interiores;
Nessa altura, já a sua fama de poeta e publicada a 1.ª edição das “Rimas”. - uma melancolia enfermiça, um
versejador corria por Lisboa. Aquando pessimismo e um desespero vizinhos
da sua estadia na capital, mais do que “Já Bocage não sou!… do desejo do suicídio;
nos estudos, gastava, então, o seu À cova escura - o amor à liberdade, a inadaptação ao
tempo em estúrdias rixas e arruaças, Meu estro vai parar desfeito em ambiente que o cerca;
onde frequentemente se envolvia. vento… - a crença em pressentimentos e
Assíduo frequentador de botequins, Eu aos céus ultrajei! O meu tormento agouros;
envolve-se no meio intelectual e Leve me torne sempre a terra dura. - a fascinação da penumbra tumular,
boémio da cidade, levando uma vida (…)” do crepúsculo, da treva, do macabro,
desregrada “na dissipação e na da paisagem tipo “belo horrível”;
dicacidade ou lírica exaltação das É encarcerado no Limoeiro em 1797. O - um erotismo ora histérico até ao
tertúlias de café, na estroinice das Santo Ofício mandou-o recolher ao desespero, ora doce e lânguido…
feiras e praças públicas” ( H. Cidade, mosteiro de S. Bento. A ordem de
"Magro, de olhos azuis, carão moreno", Bocage, Arcádia, pág. 31). Durante prisão foi-lhe dada por ser O acontecimento da sua prisão
refletecomo o poeta se auto-retratou e como o esta época, mostra-se um poeta “desordenado nos costumes”, se na sua obra, tornando-a sensível, pintor (Elói) o viu (Câmara Municipal de
atraído pelos clássicos gregos e dominava então Lisboa o Intendente subjetiva e emotiva. Seria, talvez, a Setúbal)
portugueses, como Camões, por da Polícia Pina Manique que decidiu fase pré-romântica do poeta. Em vida,
exemplo, que para Bocage era um pôr ordem na cidade. No calabouço da Bocage publicou Idílios Marítimos e os
modelo. Os versos do autor durante Inquisição ficou até 17 de fevereiro de três volumes que compõem as Rimas. Este conhecido e muito popular poeta,
esta fase tendiam a prender-se aos 1798. Daqui passou em seguida para o Após a sua morte, saem mais volumes de seu nome Manuel Maria Barbosa du
valores literários da época, que eram Real Hospício das Necessidades, de poemas, intitulados Obras Poéticas Bocage, nasceu em Setúbal
(1765perfeitos na rima e na métrica, todavia dirigido pelos Padres Oratorianos de e Verdadeiras Inéditas Obras 1805). Era filho do bacharel José Luís
eram um pouco mais originais e São Filipe Neri, depois de uma breve Poéticas. Recentemente saiu um Soares de Barbosa, juiz de fora,
espontâneos. Nesta fase, nota-se a passagem pelo Convento dos pequeno volume chamado Poesias ouvidor e depois advogado e de uma
grande presença árcade na sua Beneditinos, onde começou a fazer Eróticas, Burlescas e Satíricas de senhora francesa, D. Mariana
poesia. traduções para levar a vida. Os padres Bocage.Joaquina Xavier L'Hedois Lustoff du
Apesar das numerosas biografias foram seus amigos. Bocage Estava-se em 1805. Bocage, como diz Bocage, cujo pai era o Almirante
publicadas após a sua morte, boa reconsiderou muito na existência Vitorino Nemésio, tinha quarenta anos francês Gil Hedois du Bocage, que
parte da sua vida permanece um desgraçada que até então levara. de idade e mais de vinte de genebra e chegara a Lisboa em 1704, para
mistério. Não se sabe que estudos fez, Durante este longo período de de noitadas, com passeatas que reorganizar a Marinha de Guerra
embora se deduza da sua obra que detenção, Bocage mudou o seu tinham ido desde o Bairro Alto, pela rua Portuguesa. Tinha mais cinco irmãos
estudou os clássicos e as mitologias comportamento e começou a trabalhar das Violas no Rio de Janeiro, até às na sua família. Com oito anos de idade,
grega e latina, que estudou francês e seriamente como redator e tradutor. tabernas de Surrate na Índia e aos o menino já demonstrava talento para
também latim. A identificação das Quando no último dia de 1798 pangaios de Cantão na China, para a literatura e é nesse período que
mulheres que amou é duvidosa e recuperou a liberdade, era outro terminarem no Botequim das Parras, s u r g e m a s s u a s p r i m e i r a s
discutível. homem. Passou a viver com uma irmã outra vez em Lisboa. Por cima disto composições. A sua infância foi infeliz.
Em 14 de abril de 1786, embarcou tudo, uma dilatação da aorta (Vitorino O pai foi preso, quando ele tinha
como oficial de marinha para a Índia, Nemésio, Bocage-sonetos, Lisboa, apenas seis anos e permaneceu na
na nau “Nossa Senhora da Vida, Santo 1961, pag.29). O médico desenganou-cadeia durante seis anos. A sua mãe
António e Madalena”, que chegou ao o, sofria de um aneurisma. Confessou-faleceu quando tinha dez anos.
Rio de Janeiro em finais de junho. No se e comungou. Falece em 21 de Com apenas 14 anos de idade
Brasil foi recebido com simpatia, em dezembro de 1805. Pode ser que na assentou praça como voluntário no
alguns centros de tertúlia. Na cidade, derradeira hora tenha encontrado Regimento de Infantaria de Setúbal.
viveu na atual Rua Teófilo Otoni, e diz o aquela redenção que, um dia, tão Posteriormente, passados quatro
Dicionário de Curiosidades do Rio de sentidamente pediu ao Senhor:anos, vai para a capital, onde
Janeiro de A. Campos - Da Costa e frequentou, durante três anos a
Silva, pg 48, que "gostou tanto da Prazeres, sócios meus e meus Academia Real da Marinha, fazendo
cidade que, pretendendo permanecer tiranos,estudos regulares para
guardadefinitivamente, dedicou ao vice-rei Esta alma, que sedenta em si não marinha. No final do curso desertou,
algumas poesias-canção cheias de coube,mas, ainda assim, surge nomeado
bajulações, visando atingir seus No abismo vos sumiu dos
objetivos. Sendo porém o vice-rei desenganos.
avesso a elogios, e admoestado com
algumas rimas de baixo calão, que Deus, ó Deus, quando a morte à luz
originaram a famosa frase: "quem tem me roube,
c... tem medo, e eu também posso Ganhe um momento o que perderam
errar", fê-lo prosseguir viagem para as anos,
Índias". Fez escala na Ilha de Saiba morrer o que viver não soube!
Moçambique (início de setembro) e
chegou à Índia em 28 de outubro de A 15 de setembro, data de nascimento
que sustentava.1786. Em Pangim, frequentou de novo do poeta, é feriado municipal em
Ele foi um poeta árcade precursor do estudos regulares de oficial de Setúbal, sua terra natal.
Romantismo; alguns historiadores marinha. Foi depois colocado em
acreditam que ele foi, possivelmente, o Damão, mas desertou em 1789, Bibliografia consultada:
maior representante do arcadismo em embarcando para Macau. A vida no
Portugal. Mesmo sendo ícone do CIDADE, Hernâni, introdução às "Obras Oriente não lhe correu bem. Com
Escolhidas", Lisboa, 1969movimento árcade, Bocage também é dinheiro emprestado para a
BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du, inserido no período de transição do passagem, chegou, nesse mesmo http://www.portaldaliteratura.com/estilo clássico ao romântico, que ano, 1789, a Lisboa. Retoma, sem BOCAGE, Vida e Obra,
acaba tendo forte presença na www.prof2000.pt/users/dubocagedemora, a antiga vida de boémio,
Literatura Portuguesa do século XIX. O irritando a monarquia e a inquisição
http://pt.wikipedia.org/wikiP r é - R o m a n t i s m o d e B o c a g e com as sátiras irreverentes que Barreiros, António José – História da Literatura manifesta-se muito mais no aspeto escrevia. Foi preso pela inquisição, e Portuguesa. 2º volume. Séculos XIX-XX. 9ª
semântico do que na forma. Isso edição, pp. 525-533.na cadeia traduziu poetas franceses e
Bragança, António – Literatura Portuguesa. 3º mesmo se nota em numerosas latinos. volume.12.ª edição, pp. 573-584composições, em que o poeta A década seguinte é a da sua maior Saraiva, António José; Lopes, Óscar – História manifesta: produção literária e também o período da Literatura Portuguesa. Porto - um sentido agudo da sua de maior boémia e vida de aventuras. Editora.
personalidade, que o leva a retratar-Em 1790 foi convidado e aderiu à Verbo, Enciclopédia – Luso Brasileira de
se, a ver-se nascido sob o signo da Cultura. Edição séc.XXI. 11.º volume, pp. 1193-Academia das Belas Letras ou Nova
infelicidade, a ter remorsos e horror ao 1194.Arcádia, onde adoptou o pseudónimo
aniquilamento, a querer redimir a vida Elmano Sadino. Mas passado pouco Monumento de Bocage em Setúbal (estátua) Prof.ª Rosa Isabel Martinscom a morte, a comprazer-se em tempo escrevia já ferozes sátiras
- 3 -OPINIÃO
É imprescindível considerar que necessidades educativas especiais se alguns dos seus aspetos mais a necessidade de dar uma resposta
cada um de nós tem dificuldades de aprendizagem que importantes, apresentando uma nova educativa a uma jovem residente na
é uma pessoa única, exigem “adaptações das condições regulamentação no que concerne à nossa área de influência, portadora de
isto é, todos somos diferentes, e m q u e s e p r o c e s s a o integração. Perturbações do Espetro do Autismo
diversos no nosso próprio meio ensino/aprendizagem, isto é, uma Segundo alguns autores este Decreto- (PEA), que frequentara os anteriores
seja ele qual for. dificuldade significativamente maior Lei “vem preencher uma lacuna anos de escolaridade numa Unidade
em aprender do que a maioria dos legislativa, há muito sentida, no âmbito de Ensino Estruturado a funcionar na
alunos da mesma idade ou uma da educação especial, atualizando, Escola Dr. Guilherme Correia de
No contexto atual de educação, que incapacidade ou incapacidades que o alargando e precisando o seu campo Carvalho, na qual cumprira um
prefigura uma escola para todos, impedem de fazer uso das mesmas de ação”. Programa Educativo Individual, que,
aberta à diferença, onde se tenta que oportunidades que são dadas nas Os pressupostos legais considerados após nove anos de ensino básico, a
as minorias encontrem uma resposta escolas a alunos da mesma idade” no Decreto-Lei 319/91 foram alterados colocava no 10º ano de escolaridade.
adequada às suas necessidades, já (Education Act). com a publicação do Decreto-Lei nº A solução imediata, e de caráter
não faz sentido o recurso a práticas A educação inclusiva recebeu 3/2008, de 7 de janeiro, que provisório, foi a continuidade da aluna
reguladoras e segregacionistas. posteriormente um impulso decisivo estabeleceu novas regras para o nesse espaço da escola nossa vizinha,
Contudo, encontramos na história, com a Declaração de Salamanca em a t e n d i m e n t o a c r i a n ç a s e com quem se estabeleceu um
políticas que não só excluíam como 1994. Passou a situar a questão dos adolescentes com necessidades protocolo de colaboração, na qual
eliminavam todas as crianças direitos das crianças e jovens com educativas especiais. Este novo contribuíamos com dois recursos
portadoras de deficiência física ou Necessidades Educativas Especiais normativo reacendeu a polémica em h u m a n o s ( u m a p r o f e s s o r a
mental, pondo em causa direitos (NEE) no contexto mais vasto dos torno da inclusão, dando lugar à especializada em Educação Especial
humanos consagrados mundialmente. Direitos do Homem e, por isso, refere a manifestação de opiniões que e uma Assistente Operacional)
No entanto, quando falamos da Declaração Universal dos Direitos do questionam a democraticidade do mantendo-se em vigor todos os
problemática da deficiência é Homem, a Conferência Mundial sobre ensino e a igualdade de oportunidades protocolos de colaboração e parcerias
fundamental recuarmos no tempo para Educação para Todos e a Convenção no acesso à educação, tal como vem com entidades externas: Câmara
entendermos como a pessoa com dos Direitos da Pessoa com c o n s i g n a d o n a C o n s t i t u i ç ã o Municipal de Seia (hidroterapia),
deficiência tem sido olhada e educada Deficiência (ONU, 2006) através da Portuguesa, na Lei de Bases do Quinta de Barbil (hipoterapia), ABPG
através da história, na qual se referem consagração do direito a uma plena Sistema Educativo, para os alunos que (atividades ocupacionais).
cenários que documentam diferentes integração na educação e a uma apresentando dificuldades de O nosso compromisso era gerar
atitudes de eliminação, exclusão ou educação de qualidade para todos. aprendizagem específicas ou gerais condições para que, no presente ano
afastamento dos deficientes da A Declaração de Salamanca refere (problemas de alta-frequência e de letivo, se criasse na Escola
sociedade, e ligando-os a crenças “que todos os alunos devem aprender baixa-intensidade), não são elegíveis Secundária, uma sala de Ensino
sobrenaturais e supersticiosas. Alguns juntos, sempre que possível, para a educação especial por Estruturado, o que veio a acontecer.
autores assinalam que, nos últimos independentemente das dificuldades e r e f e r ê n c i a à C l a s s i f i c a ç ã o Foi-nos atribuída, provisóriamente,
cem anos, se assistiu a “um processo das diferenças que apresentem”. Internacional de Funcionalidade, uma sala no Pavilhão de Mecânica que
dolorosamente lento de integração e Para responder a tal desiderato a Incapacidade e Saúde (Organização tem vindo a ser apetrechada de
participação das crianças com escola deve reconhecer e satisfazer as Mundial de Saúde). equipamentos de estimulação
deficiências e suas famílias”. necessidades diversas dos seus Apesar da divergência de opiniões sensorial, física, cognitiva e lúdica, que
O Relatório Warnok (1978) introduziu alunos, adaptando-se aos vários poderemos entender o Decreto-lei para uma aluna única, sem serem os
uma nova dimensão à perspetiva de estilos e ritmos de aprendizagem, de 3/08 como um esforço no sentido de ideais, vão sendo suficientes.
Integração/Inclusão, em que o modelo modo a garantir um bom nível de mudar o paradigma das necessidades Sabemos que, nos próximos anos
médico deu lugar ao modelo ecológico educação para todos através de educativas especiais centrados no letivos, mais alunos com défices
(educativo), centrado nos problemas currículos adequados, de uma boa aluno para uma abordagem centrada semelhantes (PEA’s) a nós se juntarão
das crianças e nas dificuldades que organização escolar, de estratégias no currículo, isto é, nos conteúdos, na pelo que urge assumirmos uma atitude
estas apresentam face ao currículo pedagógicas, de utilização de recursos organização e nas estratégias, pró-ativa. Dito de outra forma, estamos
escolar, no qual surge pela primeira e de uma cooperação com as colocando a ênfase na colaboração e em condições de antever o futuro e nos
vez o conceito de necessidades respetivas comunidades (...) corresponsabilização de todos os anteciparmos aos problemas
e d u c a t i v a s e s p e c i a i s . E s t e (UNESCO, 1994, p.11). intervenientes. aplicando a velha máxima que diz
documento, trouxe contributos Alguns dos princípios fundamentais do “gerir é prever”.
fundamentais para a integração dos relatório Warnock tiveram uma Gerir é Prever
Educação Especial - UEEAalunos com necessidades educativas influência considerável no nosso país,
especiais. de tal modo que o Decreto-lei nº Foi no ano letivo 2013/2014 que pela
Refere, que “um aluno tem 319/91 de 23 de agosto veio consagrar primeira vez se colocou à nossa escola
consumo de electricidade e de água, A preservação da Dora Tracana na Bienal de
e a d i m i n u i ç ã o d e l i x o é natureza e do meio Arte de Nova Iorque 2015 e fundamental.ambiente No consumo de electricidade, no Dubai
devemos usar electrodomésticos e
Na minha opinião, a preservação lâmpadas económicas, não deixar
Dora Tracana, professora do Quadro do da natureza e do meio ambiente é luzes acesas e utilizar painéis solares
Agrupamento de Escolas de Seia, foi fundamental. para aquecer as águas.
recentemente selecionada para integrar o Estou certa de que a preservação No consumo de água, devemos
grupo de artistas portugueses presentes da natureza e do meio ambiente reduzir o caudal das torneiras e do
na Bienal de Arte de Nova Iorque de 2015 não está só nas mãos dos autoclismo e não deixar a torneira a
e no Dubai em 2016. A Bienal de Nova políticos nem dos grandes pingar.
Iorque é um grande acontecimento empresários, está principalmente Na diminuição do lixo, devemos fazer
artístico à escala mundial, abrangendo as metal, muitas vezes combinando estes na rotina do dia-a-dia de cada um a reciclagem dos papéis, dos vidros,
áreas da pintura, escultura, fotografia, materiais em interação formal e simbólica, de nós. das latas, dos plásticos, dos ferros, do
artes digitais, graffiti, literatura, vídeo, som Dora Tracana passou à materialização de Na verdade, uma diminuição de óleo alimentar e das pilhas. Muito dá
formas antropomórficas em metal fundido, e instalação.desperdícios é fundamental. para ser reutilizado.
personagens esboçadas em sombras Dora Maria Tracana Diogo é natural da Quanto maior for a quantidade de Concluindo, a preservação da volumétricas, corpos martirizados, Guarda. Licenciada em escultura, variante desperdícios a gastar maior será natureza e do meio ambiente, não é
pedra/madeira, e mestre em Arte consumidos, reduzidos a detritos a quantidade de desperdícios mais do que a nossa obrigação, pois é
Contemporânea pela Escola Superior de metálicos, numa abordagem esquemática que vamos ter de tirar à natureza o “nosso lar”.
Tecnologias Artísticas de Coimbra, leciona do corpo humano com ecos na escultura Por outro lado, a diminuição do
de Alberto Giacometti.Mariana Oliveira – 6º D no Ensino Secundário desde 1991/1992 e
Expôs individualmente em Seia, Coimbra, na Escola Secundária de Seia desde
relacionamentos acaba, porque 2004/2005. Guarda, Castelo Branco, Aveiro, Caldas A violência no namoro
“um ama demais e o outro de Inicialmente, a sua escultura desdobrava- da Rainha, Lisboa e Sintra, tendo
menos”. Apesar de ser um ditado se em simbologias e narrativas poéticas, participado em diversas exposições Ainda penso que o amor não é popular, ele reflete a obsessão de coletivas, com destaque para a exposição explorando a dialética dos materiais e a nenhum crime. O é um um e o aprisionamento do outro. “O Corpo” (Casa da Cultura de Seia, interação simbólica de formas – uma fase sentimento que une duas pessoas
Atualmente, estas obsessões 2011). Em 2012 e 2013 apresentou uma que atingiu o seu ponto alto com e q u e e x i g e r e s p e i t o ,
parecem estar a tornar-se mais instalações como “Projeto” (CISE e Casa exposição itinerante em vários museus da conhecimento e compreensão e se frequentes. Todos os dias ouvimos da Cultura de Seia, 2008). região centro, composta por peças estes três ingredientes não falar de agressões físicas e Um grave problema de saúde afastou-a produzidas durante a residência artística existirem, a relação não pode ser psicológicas e de vez em quando lá no Convento de Santa Clara-a-Velha, por algum tempo do ensino mas foi saudável e corre-se o risco de vem a trágica notícia da morte da Coimbra, em 2011/2012.determinante para a mudança radical do acabar por ser um fardo para
agredida. Realmente, falo no seu projeto artístico. Da forma definida e ambos. Isso já não é amor. Sérgio Reisfeminino, porque a maior parte das depurada extraída da madeira, pedra ou Diz-se que a maior parte dos
Continua na pág. 14
- 4 -DEVANEIOS DA ESCRITA
Relato de um Pirata Carta ao Rei, D. João V
Excelentíssimo, vossa majestade Rei de Estávamos no início do século XVIII e
Portugal, D. João V.eu, a destemida Pirata Mariana, e
Queira vossa majestade saber que chefe de um grupo de Piratas,
estou deveras espantada com todo o planeei atacar um grupo de naus
processo de produção do açúcar.v i n d a s d o O r i e n t e , m a i s
O açúcar é produzido nos engenhos a propriamente de Goa. Essas naus
partir de cana-de-açúcar, que é vinham carregadas de ouro, pratas,
transformada através de um complexo e porcelanas e especiarias.
demorado processo.Era habitual estas naus atracarem na
O engenho do açúcar é uma grande Baía de Angra do Heroísmo, na
propriedade constituída por canaviais cidade de Angra do Heroísmo, na ilha
(grandes plantações de cana-de-Terceira, nos Açores, e depois
açúcar), pela casa do senhor e pela seguirem sob escolta até ao Reino.
sanzala onde vivem os escravos.Ora o nosso ataque foi efetuado
Depois de cortada, a cana é antes das naus chegarem à Baía. Mas como eramos piratas “bons” não
transportada desde os canaviais, em Nós eramos cerca de cinquenta matámos ninguém e deixámo-los
carros de bois, até ao engenho. Aqui, a piratas divididos por quatro naus e seguir caminho.
cana é triturada em moinhos movidos a cercámos as três naus portuguesas Todas as riquezas que conseguimos
água. O suco que resulta da moagem é vindas de Goa. foram distribuídas pelos pobres.
fervido em caldeiras de cobre até se Os escravos são alojados nas sanzalas. Invadimos as naus, lutámos com os
obter o melaço que é um líquido espesso Mariana Oliveira – 6º D Estas são construídas com barro, navegadores e conseguimos retirar
e viscoso. madeira, telha ou palha. Têm poucas todas as riquezas.
Por fim, o melaço é colocado em formas janelas e grades. Dormem no chão, em
de barro para arrefecer e obtém-se terra batida. Ao fim de três meses de procura e de Expedição ao interior do
assim o açúcar. À noite a sanzala é trancada e só é muitas dificuldades em sobreviver, Brasil O senhor deste engenho é o português reaberta no dia seguinte uma hora antes finalmente conseguimos encontrar
António de Vasconcelos e é muito rico.uma grande mina de ouro. do início das tarefas diárias.No dia 18 de junho de 1697, formei O seu capataz, o Capitão-do-Mato, Na parte exterior da construção, a M a n d e i d o i s d o s n o s s o s em São Paulo, uma comitiva de chama-se João Silva e controla todo o sanzala possui, à sua frente, o bandeirantes a São Paulo com o vários colonos para irmos em trabalho dos escravos negros vindos de pelourinho que é um tronco com corda objetivo de trazerem mais colonos e direcção ao interior do Brasil. O África. utilizado para castigar os escravos.familiares para podermos formar objetivo era descobrir novas minas Estes escravos são muito fortes e uma povoação, uma vez que iríamos de ouro em Minas Gerais. trabalham de sol a sol e não têm passar ali muito tempo, porque havia Deus guarde Vossa MajestadeSaímos de São Paulo armados liberdade nem direitos. Baía, 4 de março de 1715. muito ouro para extrair.seguindo o percurso do rio Tietê. Quando eles tentam fugir ou Mariana foi o nome dado a esta Quem chefiou a expedição fui eu, e Mariana Oliveira – 6º Ddesobedecem às ordens do Capitão-do- povoação, e é a cidade mais antiga levámos connosco uma bandeira Mato, são severamente castigados.de Minas Gerais.com a imagem do Santo António.
Com a riqueza extraída das minas Esta bandeira era formada por 320
construímos igrejas, edifícios Poeta adolescentebandeirantes.
públicos, mansões e casas com Demorámos cerca de um mês a Quadras soltasestilo português. Pego na caneta e começo a escrever o que sinto,chegar a minas Gerais. Nós
Foi um tempo de fartura, onde muitos no papel faminto,sabíamos que nesta região havia
A cantar ganhei dinheirocolonos portugueses enriqueceram. que cheio de graça ficamuito ouro e isso levou-nos a A cantar se me acabou quando deposito aquiprocurar numa área bastante Mariana Oliveira 6º D O dinheiro mal ganho o que mais me ilumina!alargada. Água o deu água o levou É vontade infunda,
não suportável, insaciável,
Debaixo da oliveira instável, levando até ao sofrimento, Um dia na corte do Rei D. João V
É um regalo o amor se não fizer esta vontade,
Tem a folha miudinha a minha alma!No dia 15 de agosto de 1720, fui convidada para participar numa festa
Não deixa entrar o calor é força que se sente e não se vê,na Corte do Rei D. João V.
é doença que não dói,A festa decorreu no Palácio-Convento de Mafra, a residência de férias
Oliveira pequenina mas sente-se no coração ardente!da família real.
Que azeitona pode dar É o fogo que queima a alma subjacente,Cheguei ao palácio acompanhada do meu esposo por volta das 17
Homem pobre sem dinheiro àquilo que se chama,horas, tal como a grande maioria da nobreza convidada.
Que mulher pode arranjar poeta adolescente!Fomos recebidos num dos salões do palácio. Todos estavam
maravilhosamente vestidos com ricos fatos que seguiam a moda
Vem para mim meu amor Carla Martins, 11º Bfrancesa: sapatos de salto alto, tecidos de grande qualidade bordados
Deixa tua mãe que me crioucom fio de ouro e pedras preciosas e grandes cabeleiras postiças. Nós,
Por mais que ela te dê Um grande tédio incerto gorgoleja erradamente as damas, estávamos todas com as caras empoadas de pó de arroz
Nunca te dá o que eu te dou. fresco ao ouvido, pelas cascatas, cortiçada abaixo, branco e lábios pintados de vermelho.
lá no fundo estúpido do jardim.Passado pouco tempo, e já depois de estarmos todos acomodados, Gonçalo Ribeiro – 6º D
assistimos a uma magnífica ópera.
Bernardo Soares, O livro do desassossego
Após o espetáculo, dirigimo-nos para o Salão Real, onde foi servido
um grandioso banquete. Serviram-se cerca de quarenta pratos em
belíssimas peças de porcelana e salvas de prata. À sobremesa houve Lengalenga dos 3 reis magos
doces feitos com açúcar. O café, o chá, o chocolate e o vinho do Porto
Palavras Era uma veztambém não faltaram, sendo servidos em peças de ouro, prata e
porcelana. Todo o banquete foi servido com muito requinte por uma não 1 mas eram 3.
Palavras são lidas,multidão de criados fardados.
Imaginadas,Após a refeição, os homens inalaram tabaco moído. 3 reis magos
Idealizadas,Para finalizar a festa, D. João V ofereceu um baile. A dança praticada nos seus castelos com 3 camelos
E refletidas! foram procurar o menino Jesusfoi a Pavana, uma dança importada da Corte de França.
Palavras voam como o vento, que estava na caminha feita de palha Foi um dia maravilhoso, onde tudo foi cuidadosamente preparado e
Caem no esquecimento.onde se evidenciou a riqueza e o poder do Rei D. João V. com a rainha, a sua mãe, e com José ali ao pé.
Havia uma estrela cadente que ia sempre à
Mariana Oliveira – 6º D Mas, quando ditas com frente
sentimento, a dizer o caminho para chegar ao pé do menino
Elas permanecem imortais Chegaram lá e deram presentes
Nos saltitantes pensamentos Os pais do menino ficaram contentes.Saudades! Tenho-as até do que me não foi nada, por uma angústia
humanos.de fuga do tempo e uma doença do mistério da vida. Caras que via
Era uma vezhabitualmente nas minhas ruas habituais - se deixo de vê-las
Com palavras se esquece, não 1 mas eram 3...entristeço; e não me foram nada, a não ser o símbolo de toda a
Com palavras se vive!vida.
Lúcia, Alina, Renata e Jéssica
Carla Martins, 11º BBernardo Soares, O livro do desassossego
- 5 -ENTREVISTA
«Vivências» conversa com a Drª Cândida Perpétua,
Coordenadora do Projeto Comenius
Jornal Vivências: Como é que teve uma subsequente candidatura J. V.: Refira o papel desempenhado
conhecimento da existência do Projeto C. P.: Desde jovem, viajei pela Europa C o m e n i u s . F o i a p r o v a d a , pela Escola na consecução desta
Comenius? de comboio, avião, autocarro. Mais subvencionada e estamos no final da atividade.
recentemente viajo também através da sua concretização. Decorrido este
Cândida Perpétua: Através de WWW. Visitei países, na época de tempo, sinto-me realmente feliz pela C. P.: A Escola é responsável em
colegas de outras Escolas, bem como difícil acesso, e outros que já não experiência única que tive! Por primeiro lugar por cumprir e fazer
através da plataforma eTwinning e da existem: a República Democrática havermos, alunos e professores, cumprir o contrato assinado com a
European Schoolnet Academy, nas Alemã, a Federal Alemã e a a j u d a d o a c o n s t r u i r Agência Nacional ProAlv (agora
quais costumo frequentar webinars e ex-Yoguslávia. Estive à beira do Muro colaborativamente, mais um pedaço denominada Agência Nacional
cursos a distância, como forma de de Berlim, em 1987, e o regresso a do colorido, multicultural e deveras Erasmus+). É também responsável
atualização Pedagógica e Didática. esta cidade em 2006 foi deveras fascinante mosaico, que é a Europa. por avançar com o montante da 2ª
tranche da subvenção, tal como
J. V.: Para além do seu inestimável previsto no contrato, a qual será
contributo, este projeto contou com a concedida após o envio do relatório
colaboração de outros docentes da final e o preenchimento do European
Escola. De quem partiu a iniciativa Fund Treasure, se tudo estiver em
para a seleção da equipa do projeto? conformidade com a candidatura
apresentada e a consecução dos
C. P.: Uma vez que não foi permitido à objetivos for uma realidade.
Professora Alexandra Saraiva No entanto, a Escola poderia ter sido
permanecer no Projeto, fiz convites a muito mais ativa. Contudo, uma
outras colegas, alguns como candidatura Comenius desenvolvida
sugestões da Direção. Pessoalmente, por duas professoras (a outra docente
tive o cuidado de ter, na equipa, foi a colega Alexandra Saraiva) e uma
docentes das três Escolas do turma de alunos (11ºA de 2012-2013)
Agrupamento. não suscitou grande interesse, até
porque não era muito expectável que
J. V.: Qual foi o critério adotado na esta fosse aprovada, sabendo-se que
seleção dos discentes que fizeram muitas destas candidaturas são
parte do projeto? arquitetadas em Gabinetes de Gestão
Financeira. Contudo, estes projetos
C. P.: O primeiro grupo de alunos, que são muito valorizados em toda a
se deslocou à Alemanha, consistiu na Europa. Por exemplo, as Escolas
quase totalidade da turma do 11ºA parceiras dedicam um dia para a
(2012-2013), uma vez que foi com disseminação dos projetos, que
estes alunos que a candidatura foi valorizam as Escolas, nomeadamente Após lançar na plataforma Etwinning a comovente. Fiz voluntariado na
desenvolvida e trabalhada. na sua avaliação externa.Toda a proposta de projeto que denominei Alemanha, em Inglaterra e na
No que concerne ao 2º grupo de Escola e Comunidade Educativa bem
”Water, Blue Gold”, fui convidada a Dinamarca. Durante a Faculdade, nas alunos, a saber 11ºA, 11ºC e 11ºE, os como a Imprensa local centram a
integrar este projeto sobre Nutrição e férias, trabalhei na Alemanha, através c r i t é r i o s b a s e a r a m - s e n a s atenção no projeto e tomam
Ambiente, pela colega Alemã Brigitte do Goethe Institute/ Casa Alemã. Fiz classificações às disciplinas de Inglês, conhecimento de todas as atividades.
Schill. Inter-rails por uma parte significativa
Biologia e Geografia, bem como o Claro está que isto implica da Europa. Estudei Cultura, Literatura,
empenhamento, assiduidade às colaboração ao invés de competição, J. V.: Mencione os objetivos inerentes História e Línguas Inglesa, Alemã e
reuniões e outros indicadores partilha, cooperação e espírito de
ao projeto. Espanhola. Registo na memória atitudinais. Claro está, que todos eles entreajuda. No nosso Agrupamento de
pedaços da Europa, em que ainda são alunos de professoras da equipa Escolas, estas características
C. P.: A nível Europeu, os objetivos acredito: o mendigo perto da Comenius. Além disso, tal como tive inerentes à promoção de uma
fundamentais deste projeto visaram, sumptuosa Ópera de Salzburg, as
especificamente, promover o lojas de música tão acessíveis em
conhecimento dos jovens para a Budapeste, o mercado de Zagreb
diversidade e para o valor das culturas repleto de flores (ex-Yugoslávia, hoje
e das línguas europeias; pretendeu-se capital da Croácia), o contrabando de
que os alunos desenvolvessem roupa no comboio entre Trieste (Itália)
aptidões e as competências para o e Ljubljana (atual capital da Eslovénia)
exercício de uma cidadania europeia e ainda a noite clandestina na
ativa. A nível da temática do projeto, Roménia de Ceaușescu, em
Clujtivemos como objetivo aprofundar a Napoca, passada connosco - 3
educação e promoção de hábitos portugueses e 5 estudantes romenos,
alimentares saudáveis, através de que havíamos conhecido no
estudos comparativos entre os países comboio… o que eles nos contaram:
intervenientes, tendo em vista a pedaços memoráveis de história.
consciencialização dos jovens para a Porém, desde então a Europa mudou!
importância duma dieta saudável. Assisti a transformações históricas à
Porém, os objetivos são tão distância, mas sempre atenta. E
multifacetados, que é impossível também com vontade de saber e
descrevê-los neste espaço. conhecer mais. Até chegar o dia, no
qual poderia integrar um projeto que as
J. V.: Quais foram os países que instituições Europeias me/nos podiam
fizeram parceria com a Escola? propiciar. Aconteceu com este Projeto.
Como poderia perder a oportunidade
C. P.: Como referi, a Alemanha, país de aprender mais sobre a Europa, de
que me convidou, numa altura em que c o n s t r u i r e p a r t i l h a r e s s e
uma equipa com colegas oriundas das educação saudável necessitam ser já trabalhava com a Itália e a França conhecimento, que sempre desejei,
três escolas do Agrupamento, também optimizadas. (duas Escolas de Guadalupe nas com os meus alunos? Como poderia
tentei, arduamente, inserir alunos do Caraíbas). Posteriormente, juntou-se não passar estas experiências aos
9º Ano da Escola Dr. Abranches Ferrão J . V . : E x p l i c i t e a l g u n s Malta e Espanha, mas Malta desistiu. meus alunos? Muitos deles vivem o
e da Escola de Tourais-Paranhos, mas obstáculos/incentivos pertinentes estigma da interioridade e alguns nem
as colegas de Biologia, que lecionam encontrados na implementação deste J. V.: Como Coordenadora do Projeto sequer têm acesso regular à Internet
nessas Escolas, não tiveram sucesso projeto.Comenius, solicitamos à Drª Cândida fora da Escola. Após tantos anos de
na concretização deste sonho.que refira as razões que a motivaram a espera, surgiu o momento propício
C. P.: Os obstáculos, que foram muitos participar neste tipo de projeto. para encetar um projeto eTwinning,
- 6 -ENTREVISTA
acolhimento dos países parceiros? sensibilização para a dieta saudável
tenha tido e venha a ter bons
C. P.: Excelente. Nos três países onde resultados e contribua para um estilo
estivemos, Alemanha, Itália e de vida mais saudável dos nossos
Espanha, fomos recebidos com muito jovens. Contudo, as mais-valias foram
respeito e carinho e tivemos escassas em termos de docentes,
oportunidade de visitar locais pelos motivos atrás mencionados.
fascinantes. Os nossos anfitriões Além disso, os materiais didáticos
foram inexcedíveis. ainda não foram partilhados com os
outros docentes da mesma área na
J. V.: Como decorreu a integração dos Escola. O Agrupamento não ganhou,
nossos discentes nas visitas aos mas poderia ter ganho tanto! Na
países participantes? Escola alemã de Mosbach, os colegas
do Departamento de Nutrição
fizeramC. P.: Vou partilhar um extracto do nos uma proposta: trazer para a nossa
último email que a colega Brigitte Schill Escola tecnologia de ponta, de forma
me enviou, antes de partir para outra g r a t u i t a , p a r a i n s t a l a r n o s
dimensão (estou certa que ela não se Laboratórios, por forma a analisar e
incomoda). Escreveu o seguinte sobre estudar Organismos Geneticamente
os alunos que estiveram em Modificados. Os colegas de Biologia
Mosbach:”Your students are simply trabalhariam nas experiências com os
amazing and very clever and I think alunos e, posteriormente, seriam
without them the project wouldn't have comparados os resultados com outras
been/ won't be half as successful.” escolas europeias, para estudos sobre
Estes alunos foram co-autores da OGM. Estas e outras mais-valias, tais
candidatura que viria a ser aprovada e como estágios para os alunos e
e multifacetados, tiveram cariz pessoalmente. Conheciam apenas de esta colega, com uma imensa eventual empregabilidade em
administrativo e burocrático, bem ouvir falar da Professora de Inglês aos experiência em projetos Europeus, empresas alemãs ficaram adiadas
como desinformação relativamente a seus filhos. Fiquei muito sensibilizada
projetos Europeus. Isto é, tiveram pela confiança que em mim
sempre origem na mesma questão, de depositaram.
que o Projeto deveria ser gerido por
pessoas alheias à candidatura, o que é J. V.: Qual foi a verba destinada para a
de todo impensável e até muito grave, concretização do projeto?
porque poderia fazer perigar a
consecução dos objetivos. Caso tal C. P.: 23.000 €, dos quais 18.400
sucedesse, seria o Agrupamento constituíram a 1ª tranche.
quem ficaria a perder, mormente a
nível monetário. As colegas alemãs J. V.: Tendo em conta os gastos
bem como a colega Maria dos Anjos efetuados, acha que esta verba foi
Poeira deram-me imenso apoio, com suficiente?
toda a experiência e conhecimento
que tinham de projetos Europeus, de C. P.: Sim, mas através de uma gestão
f o r m a a u l t r a p a s s a r e s t e s muitíssimo rigorosa. Estava previsto
contratempos. realizar 24 mobilidades e realizámos
Os obstáculos contornam-se e com o 54, com a mesma verba, o que
tempo desvalorizam-se. Os incentivos granjeou elogios da Agência Nacional
permanecem e iluminam-nos a alma. Erasmus+, no seu parecer ao relatório
Nada há mais gratificante do que intermédio, onde indica “excelente
pensar em todas as mais-valias gestão financeira”.
humanas deste Projeto: os alunos da Todavia, se tantos entraves
turma 11ºA (2012-2013), pela sua administrativos não tivessem sido
tenacidade em prosseguirem em colocados, a gestão poderia ter sido
tempos felizes e em tempos de águas ainda optimizada.
turvas, pela sua imaginação,
que teve a bondade de partilhar para um Projeto Erasmus +, o qual criatividade e pelo muito trabalho. Na J. V.: Os discentes participantes
comigo, atribuiu muito do sucesso do fomos convidados a integrar com a A l e m a n h a f o r a m e l o g i a d o s tiveram algum encargo financeiro com
projeto aos nossos alunos, neste caso Escola Alemã e uma Escola Italiana de p e r m a n e n t e m e n t e , d e s d e a o projeto?
o 1º grupo. Milão. Contudo, em Março de 2014, a digníssima Diretora da Escola Alemã
O s a l u n o s r e a g i r a m c o m candidatura a este projeto não foi às funcionárias da cozinha da C. P.: Sim, discentes e docentes
deslumbramento puro (sobretudo na aceite no nosso Agrupamento, tendo Pousada de Juventude. Os alunos que pagaram sempre o seu almoço diário e
Alemanha), mas os dois grupos sido alegado que a Escola já tinha um
revelaram uma alegria irradiante, um projeto Erasmus+.
dinamismo extraordinário, um
knowhow e uma capacidade de socialização J. V.: Acha que o Projeto Comenius
absolutamente notáveis. deve continuar a ser dinamizado na
Escola? Explique os motivos da sua
J . V. : P e n s a q u e t o d o s o s resposta.
intervenientes no projeto colaboraram
ativamente em prol do sucesso do C. P.: Sim, claro, agora sob a
mesmo? Justifique. designação de Erasmus+. Os
pioneiros desbravaram o caminho e
C. P.: É utópico pensar que possa t i v e r a m q u e u l t r a p a s s a r o s
existir equilíbrio nos grupos, sobretudo Adamastores. Uma vez ultrapassados,
se tivermos em conta que a Escola é o os mares estarão calmos, com ventos
microcosmos do meio e espelha todas a soprar de feição para os próximos
as suas características. marinheiros.
J. V.: Tendo em conta todas as J. V.: Agradecemos a disponibilidade e
experiências vivenciadas com este colaboração da Dª Cândida Perpétua
tipo de atividade, aponte as mais- em dar a conhecer à comunidade
valias do projeto em termos de educativa um projeto que tanto
constituem o 2º grupo do projeto alimentação durante as viagens. Uma docentes, discentes e Escola. dignificou o nosso Agrupamento.
tiveram a vida mais facilitada, mas têm pequena contribuição dos discentes
trabalhado com muito humor e alegria. constitui prática corrente em todos os C. P.: Os foram quem mais
Além disso, os Encarregados de países Europeus. De todos os países ganhou, em termos culturais,
Educação dos 20 alunos que se parceiros, os nossos discentes foram A Equipa da BEcognitivos, linguísticos, sociais, entre
deslocaram à Alemanha confiaram-me os que tiveram menos encargos. outros. Foi uma experiência riquíssima
os seus mais preciosos tesouros, para eles. Porém, esperemos que a
muitos deles sem me conhecerem J. V.: Como descreve a forma de
- 7 -ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES
Feira do Livro no
Agrupamento
A Feira do Livro, que decorreu nas
duas primeiras semanas de
dezembro, nas Bibliotecas
Escolares do nosso agrupamento,
foi rica em emoções e momentos
mágicos. A Feira do Livro tornou-se
n u m a v e r d a d e i r a a l e g r i a
transformando-a na Festa do Livro.
A Feira do livro tem vindo a ser uma
constante no nosso agrupamento, preços especiais, contou com a
por forma a promover e difundir a dramatização da peça “Pinóquio”, uma
leitura dos múltiplos géneros das obras das metas curriculares do
literários e constitui mais um 1.º ciclo.
vigoroso estímulo com vista a Um obrigada a todos os que
intensificar a curiosidade e o apreço participaram ativamente nesta
pelo livro e o gosto pela leitura. Este atividade.
ano, o evento, nas escolas básicas,
além da diversidade de livros a A Equipa da BE
ciclo e do secundário relativamente às Escola Básica Dr. Abranches Ferrão: Concurso Nacional de
obras a concurso, a saber: “Uma Mão Carolina Costa, 8ºB; Camila Lázaro,
Leitura Cheia de Nada Outra de Coisa 8ºA e Sara Morgadinho, 9ºB.
Nenhuma”, de Irene Lisboa, e “A A todos os participantes um muito
Mensagem Secreta de Lisboa”, de obrigada pela sua participação Decorreu, no passado mês de janeiro,
a prova de apuramento para a fase Mafalda Moutinho, para os alunos do interessada e motivada neste
distrital da 9ª edição do Concurso 3.º ciclo; “Cartas Vermelhas” de Ana Concurso.
Nacional de Leitura 2015, que testou Cristina Silva e “Siddhartha” de
Hermann Hesse, para os alunos do
secundário
O objetivo central deste concurso é
apurados os três alunos com os estimular o treino da leitura e
melhores resultados na prova desenvolver competências de
realizada, os quais representarão as expressão escrita e oral junto dos
escolas na fase distrital do Concurso:alunos do 3º ciclo do ensino básico e
Escola Secundária de Seia: Tania do ensino secundário.
Giacomuzzi Mota, 12ºD; Maria Miguel A fase escolar consistiu numa prova
Proença Machado, 10ºD e Daniela escrita de aferição sobre as obras lidas
Severino Amaral,10ºB.e compreende questionários de
Escola Básica Tourais / Paranhos: verdadeiro/falso, escolha múltipla,
Maria Anjos Neves, 7ºC; Marco texto de opinião pessoal e leitura
António Lopes Correia, 8ºD e Mariana expressiva.
Fonseca Marques, 7ºCDos vários participantes, foram A Equipa da BEos conhecimentos dos alunos do 3.º
promoveu junto dos alunos e Mês Internacional das
professores algumas sessões de
Bibliotecas Escolares Formação do Utilizador e outras
atividades de promoção da biblioteca
Outubro foi o Mês Internacional da escolar junto da comunidade.
Biblioteca Escolar. Em todo o mundo,
Os 10 mais da Biblioteca Escolareste período é aproveitado para
reforçar a visibilidade das bibliotecas
escolares e a consciencialização 1.Espaços democráticos e serviços
acessíveis a todos os públicos, idades,
desenvolvimento e produção de ideias
e à sua implementação;aglutinador — A tua biblioteca escolar:
6.Lugar de evasão, união, prazer, ler, um mapa de ideias (tradução adotada
ouvir e (com)partilhar com outras pela RBE).
pessoas;Ao longo do mês de outubro, as
7.Preservar o passado e a memória bibliotecas do nosso agrupamento
local;levaram a cabo algumas iniciativas
8.Entidades eficientes em termos de que atestam a importância da
custos e seus benefícios para a biblioteca na vida da escola e na
sociedade;
9.O valor oferecido pelas bibliotecas e
seu ecossistema é traduzido pelo a c e r c a d o s e u v a l o r n a s r a ç a s , n í v e i s e c o n ó m i c o s e
aprendizagens. sentimento de pertença dos seus conhecimentos;
A International Association of School utilizadores e por ser um dos serviços 2.Livre acesso à informação,
Librarianship (IASL) propôs, como mais valorizados pelos cidadãos;tecnologia, ferramentas e outros
anualmente acontece, um tema 10.Entidades vivas, cheias de energia recursos e serviços, disponíveis aos
e sentimentos. Mais do que nunca utilizadores;
necessária em tempos de crise.3.Formação em geral e do utilizador no
(Adaptado de Informe APEI: uso de novas tecnologias e acesso à
Bibliotecas ante el siglo XXI: nuevos informação com o objetivo principal de
medios y caminos para marcar a reduzir a fenda digital existente;
celebração do Dia Nacional da 4.Locais de ajuda, apoio, orientação,
Biblioteca Escolar (27 de outubro de educação, lazer, participação cívica,
2014).d i v u l g a ç ã o , d i s s e m i n a ç ã o e
formação dos nossos alunos. A construção da comunidade;
assinalar este evento com o objetivo 5 . L o c a i s d e a p r e n d i z a g e m ,
A Equipa da BEde sensibilizar a Comunidade Escolar estimulando a curiosidade e a
para a importância da BE no processo criatividade que convidam ao
de ensino-aprendizagem, a biblioteca
- 8 -ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES
Projeto «Leituras há muitas!»
Este ano o projeto “Leituras há muitas” escreve as histórias do grupo e o André negra da ilha dos escravos” - a
centra-se nas escritoras Mafalda passa o tempo a fazê-las rir! São muito personagem central deste romance, D.
Moutinho (2º e 3º Ciclos) e Ana Cristina diferentes uns dos outros, mas apesar Simoa Godinho, é uma das figuras
Silva (ensino secundário). disso há algo que os une: o gosto por históricas mais intrigantes e
Para dar a conhecer estas duas uma boa aventura e a resolução de misteriosas da Lisboa do século XVI;
escritoras a todos os alunos grandes mistérios, não descansando nasceu em S. Tomé, no seio de uma
envolvidos no projeto, a professora enquanto não desvendam todos os família rica de fazendeiros, acabando
bibliotecária realizou sessões em enigmas com que se deparam. mais tarde, já casada com o fidalgo
todas as turmas do 2º, 3º Ciclos e 10º Em relação à escritora Ana Cristina Luís de Almeida, por vir viver para a
ano prosseguimento de estudos. Silva, a professora bibliotecária, capital do reino, onde viria a expressar
Relativamente à escritora Mafalda Manuela Silva, apresentou todos os o seu carácter profundamente humano
títulos da obra da escritora: “Mariana, através de inúmeras obras de
todas as cartas” - as cartas de amor solidariedade, nomeadamente junto
desobedecendo a ordens superiores, que Soror Mariana Alcoforado teria da Misericórdia; “Crónica do poeta
Alcaptura com espetacularidade o escrito ao Marquês de Chamily; “A Mu’ Tamid” - nasceu em Beja, em 1040,
detentor de um império vastíssimo, mulher transparente” - um livro sobre herdeiro de uma das mais poderosas
Gungunhana, que traz para Portugal as chagas da nossa conturbada dinastias então reinantes que
como troféu e acaba exilado nos contemporaneidade, sobre a solidão e governava Sevilha, era um homem de
Açores até ao fim dos seus dias; “ A a incomunicabilidade, sobre a índole benévola, amante de tertúlias, e
segunda morte de Anna Karénina” - violência – a verbal e a física – que se um dos mais notáveis poetas do
alViolante tinha, desde criança, um instala no vazio dos afetos, no deserto Andaluz; “Cartas vermelhas” - nascida
talento raro para a representação e, dos sentimentos; “Bela” - a história de em Cabo Verde de família branca e
com a ajuda de Luís Henrique, um uma mulher poeta (Florbela Espanca) abastada, Carol nunca se resignou à
grande ator com quem acabou por se que não gostava de ser chamada miséria das ilhas e quando veio viver
casar, tornou-se uma das mais poetisa; “À meia-luz” - conta-nos as para Portugal Continental, movida pelo
aplaudidas atrizes portuguesas do histórias de um velho oficial, que sonho de construir uma sociedade
Moutinho, apresentou a coleção “Os princípio do século XX.carrega a morte na alma por causa da mais justa, ingressou ainda jovem no
Primos”, que nos conta as aventuras Os alunos dos diferentes níveis guerra colonial, e uma pintora, que usa Partido Comunista; “O rei do monte
dos mais jovens exploradores do receberam de forma interessante e a arte para descobrir os seus Brasil” - em finais do século XIX, o
mundo – Ana, Maria e André -, em motivadora a apresentação da obra fantasmas; “As fogueiras da oficial de cavalaria Joaquim Mouzinho
viagens fascinantes por terras de das escritoras, sentindo-se curiosos inquisição” - romance histórico, que se de Albuquerque interna-se, ao serviço
faraós, romanos, lusitanos… A Ana e a pela sua leitura para desvendarem os desenrola ao longo do século XVI, uma do rei D. Carlos, no coração de África
Maria são filhas do embaixador Torres m i s t é r i o s e o s p r o b l e m a s época profundamente conturbada com o objetivo de subjugar as tribos à
e devido ao trabalho do pai viajam apresentados.para sefarditas e cristãos-novos em administração colonial portuguesa;
muito pelo mundo e, quando podem, Portugal: inquisição/perseguição dos para isso, porém, queima aldeias A equipa da BEconvidam o primo André para se lhes judeus e dos cristãos-novos; “A dama inteiras, mata os insubmissos e,
juntar. A Ana adora bibliotecas, a Maria
do espírito natalício inerente ao por vezes, dotado ao esquecimento e Biblioteca Ativa Ler+ com os mais velhos
momento e fê-lo sobressair através da proporcionarem alguns momentos de
decoração de espaços e apresentação convívio, diversão e partilha. E, pelos
É verdade que uma biblioteca ativa é “A solidariedade é o sentimento que
de histórias. No dia três do mesmo mês, seus semblantes, estas visitas uma mais-valia numa escola! A prová-lo melhor expressa o respeito pela
os alunos do 1º Ciclo puderam ainda revelam sucesso! Foi com redobrada está o número de utentes que, dignidade humana.”usufruir do espetáculo teatral atenção e interesse que ouviram e
diariamente, recorre à biblioteca da sua “Pinóquio”. Em janeiro, a biblioteca viram a dramatização de histórias,
escola por motivos diversos, espalhou salpicos de paz através de nomeadamente O Rato do Campo e o Franz Kafkanomeadamente pesquisa, leitura, mensagens escritas em inúmeras Rato da Cidade, e As três Fiandeiras, realização de tarefas, convívio, entre
pombas brancas colocadas em de Alice Vieira, O Espantalho Na realidade, é com grande outros.
diferentes espaços da escola. No Dia de Enamorado, de Guido Visconti, e entusiasmo e prazer que a Biblioteca A biblioteca de Tourais-Paranhos não
Reis, a comunidade educativa foi Hansel e Gretel, dos irmãos Grimm. Escolar, em parceria com o Professor tem sido indiferente às necessidades acolhida com bolo-rei e chá e os alunos Apelando às tradições e ao Vítor Sousa e alguns alunos do 11º dos seus utilizadores, daí ter do 1º Ciclo relembraram a magia dos deslumbramento da fantasia, os mais ano, das turmas J e K, do Curso de demonstrado grande empenho e três Reis Magos. Fevereiro foi o mês do velhos sentiram, por momentos, o Técnico de Apoio Psicossocial, se dinâmica no desenvolvimento das
abraço amigo de um trabalho deslocam à Casa de Repouso de atividades programadas. Assim,
conjunto. Tourais e ao Centro de Dia de mensalmente, tem presenteado o seu
Paranhos da Beira, para prestarem público com exposições direcionadas A Equipa da BE
solidariedade a um estado da vida, para várias temáticas. No mês de
outubro, privilegiou-se o tema “Início do
temática. Deste modo, apresentam-se Hora do contoano letivo e outono”, enchendo a
curiosidades, documentários, biblioteca com uma grande variedade
apresentações, leituras expressivas As bibliotecas das Escolas Básicas Dr. de aromas de compotas da época,
d e h i s t ó r i a s , e x e r c í c i o s d e Abranches Ferrão e Tourais-Paranhos receitas, frutos, livros, histórias,
compreensão e, por vezes, de têm oferecido, semanalmente, aos provérbios… Tudo imiscuído num
gramática, estudo do meio e cenário outonal, onde não faltou a seus alunos do
matemática e, por último, músicas magia da folhagem colorida e seca. No 1 º C E B ,
apelativas à dança. Se oportuno, final do mês, esta exposição foi ainda m o m e n t o s
também se apresentam experiências inesquecíveis, enriquecida com elementos decorativos
relacionadas com o assunto da obra. amor e da folia! Corações, cartas de relativamente à alusivos ao Dia das Bruxas, desde
Seguidamente, os alunos requisitam amor e mensagens de amizade promoção de máscaras, abóboras, fantasias,…
um livrinho para ler ao longo da espelharam o entusiasmo dos alunos e, Também, nesta altura do ano, a h á b i t o s d e
semana. Regra geral, procuram à entrada da biblioteca, uma magnífica biblioteca realizou as atividades leitura. Não se
encontrar temáticas similares à da máscara veneziana envolta em “Bibliopaper” e “Formação de trata da mera apresentação de
história que ouviram, o que significa serpentinas convidava ao descanso histórias e do desfolhar de páginas de Utilizadores” que contaram com grande
que se cumpriu o objetivo. Nestes carnavalesco. A fim de promover a livros! Existe um objetivo mais entusiasmo e empenho de todos os
momentos de partilha, a biblioteca fez leitura, a biblioteca também chegou, profundo nesta atividade que se p a r t i c i p a n t e s . N o v e m b r o f o i
reviver as histórias A Magia da estrela mensalmente, à sala de professores, apresentado com licores caseiros da prende com um trabalho intenso de
de outono, de Heidi e Daniel Howarth, através da atividade “Livros com região, mel, castanhas, nozes, avelãs e tratamento de obras que, sempre que
A menina que detestava livros, de sabores” e da divulgação do “Livro, ainda receitas com estes frutos. Ao possível, façam parte dos livros
Manjusha Pawagi, A princesa filme e poema do mês”, num painel da propostos nas Metas Curriculares de mesmo tempo, relembrou-se a história
baixinha, de Beatrice Masini e Octávia biblioteca e no respetivo blogue. Ao Português do Ensino Básico (1º - 4º de S. Martinho e outros costumes
Monaco, Ungali, de Elsa Serra, Um longo de cada mês, a biblioteca também relativos a este mês. A tradicional feira anos), no domínio da Educação
Lobo Culto, de Pascal, O Coelho apresentou belos painéis de pintura, de produtos agrícolas também veio dar Literária. Após esta seleção,
procuraBranco, de António Mota, entre outras, alusivos às temáticas, realizados pelas expressividade à biblioteca, uma vez se envolver a obra num universo de
de interesse relevante.suas funcionárias. que a adesão foi bastante significativa. informação que traga ao aluno
maisvalias na compreensão da sua Em dezembro, a biblioteca revestiu-se A Equipa da BEA Equipa da BE
- 9 -AGRUPAMENTO EM AÇÃO
O nosso dia da alimentação AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO “HIGIENE PESSOAL”
No dia 16 de outubro comemorámos o
Dia Mundial da Alimentação.
Todos os alunos da Escola da Cantina
trouxeram uma ou duas peças de fruta
variada e durante a manhã, com a ajuda
das assistentes operacionais Cristina,
Carminda, Rosa e Fátima, fizemos uma
grande salada de fruta.
No período da tarde, convidámos os
alunos do 1.º e 2.º anos e, todos juntos
ouvimos e vimos a história que a
professora Marta contou, intitulada «A
menina que não gostava de fruta».
Explorámos a história, falámos sobre
alimentação saudável e, de seguida, os
No dia 8 de janeiro de 2015, decorreu cuidados a ter com a sua higiene alunos do 4.º ano leram informações
no auditório da Escola Básica de pessoal – corporal e oral. sobre a Roda dos Alimentos.
Tourais/Paranhos a Ação de No fim da sessão, a Técnica Lina Finalmente, no recreio da escola,
Sensibilização intitulada “Higiene Tavares presenteou os alunos e comemos uma ou até duas taças da
Pessoal” dirigida aos alunos do 5º professores presentes com nossa saborosa salada de fruta.
ano (turmas C e D), dinamizada pela pequenas amostras de produtos.O nosso Dia da Alimentação foi
Técnica Lina Alexandra Gonçalves Os alunos do 5º ano agradecem à espetacular e muito divertido!
Tavares, da Farmácia de Paranhos Técnica da Farmácia de Paranhos da
Turma E – EB1 de Paranhos da Beira da Beira, no âmbito do Projeto de Beira a sua disponibilidade, simpatia
Promoção e Educação para a Saúde e presença na nossa escola, na
(PES). dinamização desta atividade muito
Esta sessão revelou-se interessante interessante e útil.
para os alunos envolvidos, pois
Dulce Vicenteforam esclarecidos sobre os
Campanha de recolha de garrafas, frascos e
tampas de plástico
A campanha de recolha de garrafas, frascos e tampas de plástico continua a No dia 31 de outubro de 2014, os alunos
decorrer na Escola Secundária de Seia, no âmbito do Programa Eco-Escolas.Magda, Luís e Marco, do 12º Ano do
O resultado da venda do plástico
reverte a favor da Delegação da
Cruz Vermelha de Seia.
nas Escolas, promovido pela Comissão
Encontra-se no Polivalente um de Coordenação e Desenvolvimento
recipiente onde devem ser Regional do Centro, em Coimbra
colocadas as garrafas, os frascos e
(CCDRC). outros recipientes de plástico e
Os alunos foram selecionados para encontram-se em vários locais da
representar na região centro a Escola para a recolha
Comunidade Intermunicipal Beiras e
das tampas de plástico.Serra da Estrela, com o seu projeto
Todo o material de plástico “ZIMBRÃO”, depois de terem sido
colocado nos recipientes deve estar
vencedores do concurso “Ideias Serra limpo.
Curso Profissional de Técnico de Análise da Estrela“. Esta atividade é dinamizada pelos
Laboratorial participaram, no “Concurso alunos das turmas do Curso A Diretora de Curso: Ana Paula Camelo GarciaRegional de Ideias de Negócio 2014”
Profissional de Técnico de Análise Laboratorial (12º G e 10º G).
CONTAMOS COM A PARTICIPAÇÃO DE TODA A COMUNIDADE ESCOLAR
Jardim de Infância do Carvalhal da Louça
A Diretora do Curso Profissional de Técnico de Análise Laboratorial
Ana Paula Camelo Garcia
No presente ano letivo, as crianças
do JI de Carvalhal da Louça,
desenvolveram diversas atividades, O Eco-Escolas na decoração de Natal
que gostariam de partilhar
convosco. Muito lentamente mas com vontade de sensibilizar a comunidade escolar, o
No 1.º período realizaram ações Eco-Escolas realizou a atividade da decoração natalícia da BE. Adquiriu-se o
relacionadas com os temas do pinheiro de Natal, para mais tarde ser reutilizado num espaço verde da nossa
“ o u t o n o / à d e s c o b e r t a d a s Escola.
t r a d i ç õ e s ” , a “ S e m a n a d a N e s t a a t i v i d a d e
alimentação”, a “Semana de S. participaram elementos da
Martinho” e as “Vivências equipa da BE e assistentes
natalícias”. Com estas iniciativas, o p e r a c i o n a i s q u e
r e p r o d u z i m o s l e n g a l e n g a s , prontamente aderiram a
explorámos histórias, rimas, esta iniciativa.
adivinhas, canções, danças e Dando continuidade à
executámos muitos trabalhos de expressão plástica. Assim, descobrimos no “outono” atividade “decoração de
as frutas da época e as características desta estação do ano. Na “Semana da Natal da BE” e, como se
alimentação”, confecionámos espetadas com frutas variadas e ficámos mais havia proposto,
procedeusensibilizadas para a prática de uma alimentação saudável. No S. Martinho, fizemos se à plantação do pinheiro
o magusto na Escola Básica de Tourais/Paranhos, conjuntamente com as crianças num dos espaços verdes da
dos Jardins de Infância de Tourais, de Vila Verde e as turmas do 1.º Ciclo, da referida nossa Escola.
Escola Básica. As castanhas e o lanche partilhado foram muito saborosos e Terminada a época das
gostámos muito de brincar com os nossos amigos. Voltámos a encontrar-nos com festividades procedeu-se à
eles na Escola Básica de Tourais/Paranhos, para realizarmos a “Festa de Natal”, recuperação da árvore de
aberta à família e à comunidade. Todos apreciaram com prazer, as nossas canções, a Natal tendo sido plantada no dia 8 de janeiro por dois assistentes operacionais.
dramatização “Meninos de todas as cores”, e a nossa forma de desejarmos “Boas
Festas”. M.ª dos Anjos Poeira
Prof.ª Lurdes Alcafache
- 10 -

  • Accueil Accueil
  • Univers Univers
  • Ebooks Ebooks
  • Livres audio Livres audio
  • Presse Presse
  • BD BD
  • Documents Documents