Livro de Máguas

De
Publié par

Publié le : mercredi 8 décembre 2010
Lecture(s) : 48
Nombre de pages : 34
Voir plus Voir moins
The Project Gutenberg EBook of Livro de Máguas, by Florbela Espanca
This eBook is for the use of anyone anywhere at no cost and with almost no restrictions whatsoever. You may copy it, give it away or re-use it under the terms of the Project Gutenberg License included with this eBook or online at www.gutenberg.org
Title: Livro de Máguas Author: Florbela Espanca Release Date: January 25, 2006 [EBook #17610] Language: Portuguese Character set encoding: ISO-8859-1 *** START OF THIS PROJECT GUTENBERG EBOOK LIVRO DE MÁGUAS ***
Produced by Rita Farinha and the Online Distributed Proofreading Team at http://www.pgdp.net (This file was produced from images generously made available by National Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)
NOTA: Este texto tem uma versão em língua portuguesa moderna, a que pode ser aceder clicando na ligação:
   TEXT
FLORBELA ESPANCA
Livro de Máguas
MCMXIX
LIVRO DE MÁGUAS
FLORBELA ESPANCA
Livro de
Máguas
MCMXIX
A meu Pai
Ao meu melhor amigo
Á querida Alma irmã da minha,
Ao meu Irmão
Procuremos sòmente a Beleza, que a vida É um punhado infantil de areia resequida, Um som dágua ou de bronze e uma sombra que passa...
EUGÉNIO DECASTRO.
Isolés dans l'amour ainsi qu'en un bois noir, Nos deux coeurs, exalant leur tendresse paisible, Seront deux rossignols qui chantent dans le soir.
Êste livro...
ÊSTE LIVRO...
VERLAINE.
Êste livro é de máguas. Desgraçados Que no mundo passais, chorae ao lê-lo! Sòmente a vossa dor de Torturados Pode, talvez, senti-lo... e compreendê-lo...
Este livro é p'ra vós, Abençoados Os que o sentirem, sem sêr bom nem belo! Bíblia de tristes... Ó Desventurados, Que a vossa imensa dôr se acalme ao vê-lo!
Livro de Máguas... Dôres... Ansiedades! Livro de Sombras... Névoas... e Saudades! Vai pelo mundo... (Trouxe-o no meu seio...)
[18]
Irmãos na Dôr, os olhos razos de agua, Chorae comigo a minha imensa mágua, Lendo o meu livro só de máguas cheio!...
Vaidade
VAIDADE
Sonho que sou a Poetisa eleita, Aquela que diz tudo e tudo sabe, Que tem a inspiração pura e perfeita, Que reúne num verso a imensidade!
Sonho que um verso meu tem claridade Para encher todo o mundo! E que deleita Mesmo aqueles que morrem de saudade! Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!
Sonho que sou Alguem cá neste mundo... Aquela de saber vasto e profundo, Aos pés de quem a terra anda curvada!
E quando mais no ceu eu vou sonhando, E quando mais no alto ando voando, Acordo do meu sonho... E não sou nada!...
[22]
Eu...
EU...
Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que na vida não tem norte, Sou a irmã do Sonho, e desta sorte Sou a crucificada... a dolorida...
Sombra de névoa ténue e esvaecida, E que o destino amargo, triste e forte, Impele brutalmente para a morte! Alma de luto sempre incompreendida!...
Sou aquela que passa e ninguem vê... Sou a que chamam triste sem o sêr... Sou a que chora sem saber porquê...
Sou talvez a visão que Alguem sonhou, Alguem que veio ao mundo p'ra me vêr, E que nunca na vida me encontrou!
Castelã da Tristêsa
CASTELÃ DA TRISTÊSA
Altiva e couraçada de desdem, Vivo sòsinha em meu castelo: a Dôr! Passa por êle a luz de todo o amôr.... E nunca em meu castelo entrou al uem!
[26]
Castelã da Tristêsa, vês?... A quem?!... E o meu olhar é interrogadôr Perscruto, ao longe, as sombras do sol-pôr... Chora o silêncio... nada... ninguem vem...
Castelã da Tristêsa, porque choras Lendo, toda de branco, um livro de oras, Á sombra rendilhada dos vitrais?...
Á noite, debruçada p'las ameias, Porque rezas baixinho?... Porque anseias?... Que sonho afagam tuas mãos reais?...
Tortura
TORTURA
Tirar dentro do peito a Emoção, A lucida Verdade, o Sentimento! E ser, depois de vir do coração, Um punhado de cinza esparso ao vento!...
Sonhar um verso d'alto pensamento, E puro como um rythmo d'oração! E ser, depois de vir do coração, O pó, o nada, o sonho dum momento!...
São assim ôcos, rudes, os meus versos: Rimas perdidas, vendavaes dispersos, Com que eu iludo os outros, com que minto!
Quem me déra encontrar o verso puro,
[30]
[34]
O verso altivo e forte, extranho e duro, Que dissesse, a chorar, isto que sinto!!
Lágrimas ocultas
LÁGRIMAS OCULTAS
Se me ponho a scismar em outras éras Em que ri e cantei, em que era qu'rida, Parece-me que foi noutras esféras, Parece-me que foi numa outra vida...
E a minha triste bôca dolorida Que dantes tinha o rir das primavéras, Esbate as linhas graves e severas E cae num abandôno de esquecida!
E fico, pensativa, olhando o vago... Toma a brandura plácida dum lago O meu rôsto de monja de marfim...
E as lágrimas que choro, branca e calma, Ninguem as vê brotar dentro da alma! Ninguem as vê cair dentro de mim!
Torre de névoa
TORRE DE NÉVOA
[38]
Subi ao alto, á minha Torre esguia, Feita de fumo, névoas e luar, E puz-me, comovida, a conversar Com os poetas mortos, todo o dia.
Contei-lhes os meus sonhos, a alegria Dos versos que são meus, do meu sonhar, E todos os poetas, a chorar, Responderam-me então: «Que fantasia,
Creança doida e crente! Nós tambêm Tivemos ilusões, como ninguem, E tudo nos fugiu, tudo morreu!...»
Calaram-se os poetas, tristemente... E é desde então que eu choro amargamente Na minha Torre esguia junto ao Ceu!...
A minha Dôr
A MINHA DÔR
A Você
A minha Dôr é um convento ideal Cheio de claustros, sombras, arcarias, Aonde a pedra em convulsões sombrias Tem linhas dum requinte escultural.
Os sinos teem dobres d'agonias Ao gemer, comovidos, o seu mal... E todos teem sons de funeral Ao bater horas, no correr dos dias...
[42]
A minha Dôr é um convento. Ha lírios Dum roxo macerado de martírios, Tão belos como nunca os viu alguem!
Nesse triste convento aonde eu móro, Noites e dias reso e grito e chóro! E ninguem ouve... ninguem vê... ninguem...
Dizêres íntimos
DIZÊRES INTIMOS
É tão triste morrer na minha idade! E vou ver os meus olhos, penitentes Vestidinhos de rôxo, como crentes Do soturno convento da Saudade!
E logo vou olhar (com que ansiedade!...) As minhas mãos esguias, languescentes, De brancos dedos, uns bébés doentes Que hão de morrer em plena mocidade!
E ser-se novo é ter-se o Paraiso, É ter-se a estrada larga, ao sol, florida, Aonde tudo é luz e graça e riso!
E os meus vinte e tres anos... (Sou tão nova!) Dizem baixinho a rir: «Que linda a vida!...» Responde a minha Dôr: «Que linda a cova!»
[46]
[50]
As minhas Ilusões
AS MINHAS ILUSÕES
Hora sagrada dum entardecer D'Outono, á beira mar, côr de safira. Sôa no ar uma invisivel lira... O sol é um doente a enlanguescer...
A vaga estende os braços a suster, Numa dôr de revolta cheia de ira, A doirada cabeça que delira Num último suspiro, a estremecer!
O sol morreu... e veste luto o mar... E eu vejo a urna d'oiro, a baloiçar, Á flôr das ondas, num lençol d'espuma!
As minhas Ilusões, dôce tesoiro, Tambem as vi levar em urna d'oiro, No Mar da Vida, assim... uma por uma...
Neurastenia
NEURASTENIA
Sinto hoje a alma cheia de tristesa! Um sino dobra em mim, Ave Marias! Lá fôra, a chuva, brancas mãos esguias, Faz na vidraça rendas de Venesa...
[54]
Soyez le premier à déposer un commentaire !

17/1000 caractères maximum.